Pular para o conteúdo principal

Saudade da minha juventude.

          Costumava me deitar no sofá da sala para namorar e assistir TV enquanto meu pai tocava sua Remington*, na labuta, madrugada adentro, como musica de ninar. Ah! Se aquele sofá falasse, quantas noites de amor ele ir-me-ia caguetar. Os livros da estante, cúmplices, que me encobriam do olhar de meu pai, quase suspiravam ao esconder do dono da casa as minhas traquinagens, resguardadas por seus tomos.
A casa, de muro baixo, sem portão e com fachada de vidros, onde floria um lindo jardim que nos separava da rua, eu expunha minha intimidade. Lá eu fui criado, pássaro solto. 
          De dia, bêbados e mendigos entravam livremente para pedir atenção. Bebiam leite, comiam pão, ganhavam tostão e se iam. Ah! Que saudade de poder andar de cuecas, qual sacos de batata, baratas, que usava sem preocupação. Eu vivia sem passado, sem futuro e sem presentes. Meu tempo era o amor, que num breve instante se fazia eterno. À noite, quando o reflexo da lua espelhava os vidros da fachada, eu era Deus. Como Priapus** A casa de meu pai era meu os jardins e as donzelas e suas flores cheirosas. Semeava-as sem pena, mas tapava-lhes a boca, para que seus gemidos não nos denunciassem. Ah! Quantas noites, sem castigos, eu vivi minha juventude. Sim! Ali eu era Deus. “ Se perguntas por que as partes obscenas não resguardava? Pergunta então se há deuses que escondam o seu dardo!”. Às vezes, interrompido, enrolava-me num lençol para servir um conhaque com água gelada ou cortar cubinhos de queijo e salame para servi a meu velho. O dono da vida fingia não perceber. Melhor não saber. Mas o tempo passa, passado, passou. A casa ficou  na minha memória junto as noites traquinas de amor. Ficou, também, na memória a música da Remington* que não toca mais enquanto dedilho nesta máquina sem som, sem música de ninar, o passado vivido. Da casa onde vivi não ficou, sequer, o sofá daquele passado. A casa, antes de muro baixo e sem portão, hoje é uma fortaleza, castelo infecundo, cercada de muro alto, portão de ferro, para esconder o novo dono do mundo. Já não é de vidro a fachada, morto ficou o jardim. Nem existe mais a estante com livros que escondia as traquinagens do jovem que se fazia Deus. Habitaram-na de medo, e o medo mata o amor.

*Marca da máquina de escrever.

**Mit. - Deus grego.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

Um conto de Natal - Rosa tem febre demais.l.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…