Pular para o conteúdo principal

Terreno baldio - Literatura Axé.

          




           No fundo da casa de meu pai, minha casa também, na época, existia um terreno baldio. Há anos o terreno estava abandonado. Nele gatos e ratos disputavam os restos de comida que era atirado das janelas do edifício do outro lado. A área era cercada por um muro alto e nela crescia capins e outros arbustos, mato só mato. Certa feita, os meninos da minha rua se reuniram e, junto a eles, fui capinar o terreno, tirar os tocos, catar os cacos de vidro, pedras e paus podres. Queríamos fazer uma quadra de vôlei para brincarmos. Trabalhamos duro durante quinze dias. Limpamos totalmente a área, recolhemos o lixo, pretendíamos cobrir toda a área com arenoso. O pai de um dos garotos era dono de uma loja de material de construção e nos prometeu: daria o material necessário, fossem quantas caçambas coubessem para fazermos nossa quadra. Mas, no dia seguinte, após está tudo limpo e o terreno planado, o dono do terreno apareceu, disse que não tínhamos autorização para usarmos seu terreno. Tristes ficamos todos, mas tínhamos que respeitar o que manda a lei. Nos vinte poucos anos que morei na casa de meu pai, essa foi a única vez que vi o dono do terreno, que aos poucos voltou a ser o lar dos ratos e dos gatos vadios, voltou a ser o fétido depósito de lixo a céu aberto e coberto pelo mato. Lembro que à noite, daquele dia que encontramos o dono do terreno, meu pai perguntou por que eu estava triste, e eu disse. Meu velho me chamou e falou: “isso, filho, é um direito trazido ao país por seus invasores. Chama-se propriedade privada, que a base do sistema capitalista. Vocês só queriam brincar, mas existem muitos homens e mulheres que fazem o mesmo trabalho em terras aparentemente sem proprietários, terras sem utilidade, griladas e abandonadas até que alguém resolva dela fazer sua morada e dela tirar o sustento de sua família. E eles, os que são chamados de posseiros, não o fazem para brincar, fazem para morar e alimentar a si e a seus filhos, e muitos são mortos quando se recusam a abandonarem o fruto do seu trabalho”. Eu, dentro de minha inocência de criança, perguntei: pai, se o senhor já sabia disso, por que não nos avisou? Ele, rindo, disse: “se eu tivesse avisado vocês não teriam limpado o terreno, e não sentiriam na pele o quanto injusta são algumas leis. Essa foi a melhor maneira que encontrei para lhe ensinar que existe lei e que existe a justiça, e que a lei, apesar de a chamarem de justiça, não é, necessariamente, justa.” Depois meu pai me perguntou quantos de nós tínhamos trabalhado para limpar o terreno. Eu disse. Meu pai tirou da carteira o preço do que achava adequado pelo trabalho que havíamos realizado e me entregou o dinheiro dizendo: “eu mesmo pretendia pagar para limparem o terreno, vá e divida o dinheiro com seus amigos.” Eu aprendi a lição, mas nunca aprendi a digeri-la. Até hoje sinto tristeza quando vejo leis injustas oprimirem o povo. E apesar de saber que sozinho não posso limpar os terrenos fétidos da lei, busco amigos para juntos tentarmos limpá-los, mesmo sabendo que tudo tem dono, por trás de cada lei há o interesse de uns poucos que se fazem dono do que Deus criou para ser de todos.



Comentários

  1. Bom senso e coerência isso o que meu cunhado Ari te ensinou meu sobrinho querido e amado. Deus te abençoe.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…