Pular para o conteúdo principal

A Construção do Sonho. Lit. Axé - Ariovaldo Matos


A Construção do Sonho
Uma frágil minhoca que amava e ao mesmo tempo temia o sol. Amava-o quando amornava a terra. Temia-o , a supor que por ele seria esturricada se saísse de sua toca, se ousasse mirá-lo. Um dia, manhã, decidiu-se pelos perigos e esperanças da liberdade que exige luta. E caminhou, vencendo, em incríveis batalhas, os fantásticos animais de que fala Lautréamont , em “Maldoror”: caranguejos, fêmeas de e outros monstros marinhos, dragões alados, severos buldogues babando sangue, búfalos roídos por víboras, hipogrifos descomunais – e tudo quanto seja capaz de habitar os imaginados zoos dos parafrênicos, como nós somos. Não importa. A minhoca, embora frágil, soube usar astúcia e sobre eles triunfou.
Desgraçadamente, porém, a esperança não completou seu ciclo: logo ao surgir das entranhas da terra, exausta após tantos combates, um alguém, de marrons botas assassinas, a esmagou, impedindo não se sabe por quê. Talvez alguém, como nos sugeriu Lautréamont, “entregue, em um momento de esquecimento, ao caranguejo do deboche, ao polvo da fraqueza de caráter, ao tubarão da abjeção individual, à jiboia da moral ausente, ao caracol monstruoso do idiotismo! Certo é que a minhoca, jovem como eu, mal pôde uma intimidade de poucos segundos com o sol, na ocasião a ser encoberto por nuvens alvíssimas, mulheres e moçoilas sorridentes, sôfregas. A bem da verdade, diga-se que as formigas foram muito atenciosas, gentis, quando, de volta de suas fainas habituais, conduziram o corpo espedaçado ao fundo da cova, cuidadosamente, com desvelo. E antes de a devorarem – necessidade de sobrevivência -, homenagearam-na com solenes cânticos... Certeza, por enquanto, é que a inicial temeridade da minhoca e, depois, sua valentia, serão consideradas. Isso é pouco. Por que as formigas, antes amigas afetuosas da minhoca, não a advertiram sobre os terríveis perigos também lá fora? As nuvens, por que começaram a encobrir o sol precisamente naquele instante? Simples traquinagens? Empenho de protegê-lo, não o desejando como impassível testemunha do crime?...
 Ariovaldo Matos, 
Em fase de editoração para e-book - Breve na Amazon.Com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…