Pular para o conteúdo principal

A Construção do Sonho. Lit. Axé - Ariovaldo Matos


A Construção do Sonho
Uma frágil minhoca que amava e ao mesmo tempo temia o sol. Amava-o quando amornava a terra. Temia-o , a supor que por ele seria esturricada se saísse de sua toca, se ousasse mirá-lo. Um dia, manhã, decidiu-se pelos perigos e esperanças da liberdade que exige luta. E caminhou, vencendo, em incríveis batalhas, os fantásticos animais de que fala Lautréamont , em “Maldoror”: caranguejos, fêmeas de e outros monstros marinhos, dragões alados, severos buldogues babando sangue, búfalos roídos por víboras, hipogrifos descomunais – e tudo quanto seja capaz de habitar os imaginados zoos dos parafrênicos, como nós somos. Não importa. A minhoca, embora frágil, soube usar astúcia e sobre eles triunfou.
Desgraçadamente, porém, a esperança não completou seu ciclo: logo ao surgir das entranhas da terra, exausta após tantos combates, um alguém, de marrons botas assassinas, a esmagou, impedindo não se sabe por quê. Talvez alguém, como nos sugeriu Lautréamont, “entregue, em um momento de esquecimento, ao caranguejo do deboche, ao polvo da fraqueza de caráter, ao tubarão da abjeção individual, à jiboia da moral ausente, ao caracol monstruoso do idiotismo! Certo é que a minhoca, jovem como eu, mal pôde uma intimidade de poucos segundos com o sol, na ocasião a ser encoberto por nuvens alvíssimas, mulheres e moçoilas sorridentes, sôfregas. A bem da verdade, diga-se que as formigas foram muito atenciosas, gentis, quando, de volta de suas fainas habituais, conduziram o corpo espedaçado ao fundo da cova, cuidadosamente, com desvelo. E antes de a devorarem – necessidade de sobrevivência -, homenagearam-na com solenes cânticos... Certeza, por enquanto, é que a inicial temeridade da minhoca e, depois, sua valentia, serão consideradas. Isso é pouco. Por que as formigas, antes amigas afetuosas da minhoca, não a advertiram sobre os terríveis perigos também lá fora? As nuvens, por que começaram a encobrir o sol precisamente naquele instante? Simples traquinagens? Empenho de protegê-lo, não o desejando como impassível testemunha do crime?...
 Ariovaldo Matos, 
Em fase de editoração para e-book - Breve na Amazon.Com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasil e sua nuances degenerativas.

Brasil e sua nuances degenerativas.
Nuances, nuances, as minorias gritam e fazem bazófia. 
Calada, a multidão espera ver para onde corre o rio.
O silêncio da maioria grita alto, enquanto perdidos, os três macacos da TV dançam e se lançam nas vitrines com catatônica imbecilidade. 
Hoje, qualquer idiota é pastor e domina as ovelhas, 
Qualquer hipócrita ladrão se julga rei e é liberado pela justiça por um bom troco.
Qualquer dançarina de bunda grande é virtuosa e todos têm histórias a contar. 
Os fanhos cantam, os gagos fazem discursos.
E são herdadas verbas, verbos e oligarquias.  Sempre haverá grana suja para financiar a anarquia da direita afilhada da mídia.
E eu desafino em meu poema narrado.
Quero ir ao cinema para ver "O grande ditador".
Porém mudo, mudo de ideia.
Não quero mais ouvir aquela mazela.
Quero nova blasfêmia intelectual.
Vou ao teatro. Nuances degenerativas. 
“O Rei está morto. Longa vida ao Rei”.
Ricardo Matos.

A morte do senador.

O ambiente é asséptico. Um amplo quarto de hospital.  O Senador, deitado numa cama, acabara de sair da UTI, não havia mais como adiar o fim de sua vida. O término da vida é uma realidade que todos teremos que enfrentar. O medo estava presente, aterrador, mas não havia outra coisa a ser feita além de enfrentá-lo. A “doutora da morte” entrou no quarto, -- Uma linda mulher, aparentando trinta anos, pele alva, olhos e cabelos negros de tamanho médio que lhe cobriam os ombros, tinha estatura mediana, um corpo torneado e seios médio. O corpo e o rosto respondiam aos critérios básicos da beleza: simetria e harmonia plástica. Vestia-se de branco, como um anjo, sem adornos ou maquiagem. – Ela caminhou até chave regulável da luz e a deixou em meio tom.  Olhando nos lhos do paciente perguntou com voz calma e suave. -- Sente dor? Física? Não. Mas estou apavorado. – Respondeu cabisbaixo o paciente. -- O senhor quer um calmante? Sim. Seria bom. Mas não quero dormir... E minha famíl…

O barco de papel -

Quando criança, eu esperava as tempestades das águas de março. O papel ofício, roubado do gabinete de meu pai, era meticulosamente parafinado com os tocos de vela, que guardava, quando a troca era feita por minha mãe, em honra de a Santa Teresa de Lisieux. Deitava a folha branca em piso liso e, meticulosamente, ia impermeabilizando-a com a parafina em verso e anverso. As dobras, no papel, se repetiam até está concluído o chapéu de Napoleão. Era assim que o chamava na décima dobradura, quando, com lápis de cera, eu desenhava seus navegadores. Meus personagens preferidos, riscados a cores, na ponta do chapéu, eram os piratas Barba Ruiva ou Barba Negra. Ao desenhá-los, com o tapa olho, eu os imaginava gritando: “Todos ao convés, pestilentos; carregar os canhões” e quase que via as naus espanholas tentarem fugir da salva de tiros que derrubava mastros e velas ao gritar: “Preparar; apontar; fogo!”. E partíamos atrás, para abalroá-los, navegando “a todo pano”. Imaginava os teso…