Pular para o conteúdo principal

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.



          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de tratamento. Supus. Ela acredita que eu queira comê-la. E sim, era verdade. Eu queria comê-la. Mas não queria que ela soubesse que eu queria comê-la naquele momento, então desconversei. E fingi não querer comê-la.  Fui um hipócrita. Somos todos hipócritas apesar de poucos admitirem essa verdade. Ela continuou parada, de pé, olhando-me. Puxei a cadeira ao meu lado e perguntei se ela queria se sentar. Ela sacudiu a cabeça em negativa, seu cabelo balançou suavemente o que a tornou mais bonita. Você quer sim. Eu afirmei, e disse se sente. E ela se sentou. E vi que ela estava temerosa, então, ofereci uma bebida. Ela não respondeu e eu pedi ao garçom que trouxesse uma dose de uísque para mim e um gim tônico para ela. Ela disse “prefiro Campare” e sentou e eu mudei o pedido. Pairou um silêncio entre nós dois. O silêncio  perdurou até a chegada do garçom. O clima estava tenso. Ela esfregava as mãos e estalava os dedos. Também evitava olhar meu olhar. Eu reiniciei a conversa e falei da necessidade de encontrar uma secretária. Ela puxou da bolsa algumas folhas de papel e me entregou. Eu não me dei ao trabalho de olhar. Reparei que suas mãos tremiam e disse mantenha a calma. E falei você está contratada. Pode aparecer amanhã as 8:30 no meu escritório. Ela fez que iria se levantar e eu disse não precisa ir embora, beba seu Campare. Para tirar a tensão do clima pedi perdão por tê-la assustado. Ela voltou a se acomodar e sorriu e perguntou por que eu não olhei o currículo dela.  Eu disse porque quero comer você e completei, mas sem maiores compromissos, e disse, também, mas você não precisa aceitar. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ela afirmou o senhor é louco. Eu respondi não, não sou.  Só acredito que você também pensou em me comer. Alias, na verdade, são as mulheres que comem os homens. E você pode até ter vergonha em admitir que pensou em me comer para obter lucro. Isso não faz de você uma puta. Todos sempre querem ganhar alguma coisa. As vítimas querem ganhar pena, as gananciosas querem ganhar dinheiro e jóias. As sádicas querem ganhar poder para ferir e é assim sempre. Até irmã Dulce, quando ajudava os pobres queria ganhar algo. Não sei se era santidade, que fosse o ingresso no do céu. Não interessa. Todos sempre querem ganhar algo.  E, depois do discurso deixei claro que eu não queria namorá-la, não queria compromisso com ela e não queria que ninguém soubesse que eu iria ser comido por ela. Naquele instante ela me olhou nos olhos e disse, “OK. Ainda bem que você sabe. Eu vou cobrar”. Não existia mais tensão. Ela pegou em minha mão e perguntou “está certo?” E completou, mas se eu não gostar de transar com você direi que não quero mais. Eu disse eu topo. Ela disse com sinceridade “o senhor é um grosso”. Eu sorri e devo admitir que essa foi a pior cantada que já dei em uma mulher. Bebemos por mais algum tempo e ela me acompanhou até um motel e nós fizemos sexo. No outro dia ela chegou pontualmente ao trabalho. É uma excelente secretária. Faz cinco anos que trabalhamos e transamos e hoje ela se casará. Hoje serei seu padrinho de casamento. Perguntei se ela queria parar de fazer sexo comigo e ela disse não. Gosto de fazer sexo com você e gosto do dinheiro que ganho com isso. Talvez ela seja mais íntima de mim do que será do próprio marido. Mais que uma secretária e amante eu ganhei uma discípula.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ostra

Ostras
Antes de sair do hotel, tendo a irmã Célia ao lado, escreveu para Ione: “Querida, sua detenção é passageira. Tudo não passa de um equívoco. O marido de Célia, e ele é muito influente, assegurou que eu a encontrarei livre no meu regresso. E que retornaremos a Paris sem nenhum problema. Sigo para Bahia nesta manhã, em busca daquele ferroviário, e já tenho reserva para voltar à noite. Por que diabo você se meteu a doutorar-se em ciências políticas e aventurar-se a fazer perguntas num momento como o atual? Com um beijão”. E assinou. A irmã riu ao ler o texto. Disse: -- Menina de família rica, tantos anos estudando na França, de repente presa, de repente podendo ser solta, que coisa mando preparar para jantarmos? Informou: -- Ione adora ensopado de filé com repolho. Filé cortado em pequenos pedaços, é claro. E como ela gosta de dizer, “mixórdia de picles”. Invenção dela. -- Como é que é isso? -- É simples: compre dois pacotes de picles, ponha tudo no liquidificador, misture com duas col…

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …