Pular para o conteúdo principal

O Donzelo - Literatura Axé -

        O Donzelo.         
        
         Bruno não era, de todo, feio. Estava acima do peso, é verdade, mas não chegava à obesidade. Não era muito alto, contudo, possuía uma estatura acima da média. Tinha a barriga um pouco avantajada, porém, nada que lhe tirasse a elegância. Cabelos ele os tinha e cortava-os baixinho por ser mais prático o asseio. Era limpo,  alinhado e vestia-se e portava-se de forma tímida. Aliás, o grande defeito de Bruno era aquele acanhamento. Bruno já beirava os trinta anos e mantinha-se virgem. Não que não tentasse, vez por outra, uma paquera. Porém, bastava uma mulher se aproximar que seu pensamento perdia o sentido lógico e vinha-lhe uma gagueira súbita. Ele havia tentado resolver o problema. Fez análise, consultou-se com fonoaudiólogos, procurou por mães-de-santo, benzedeiras, enfim. Restou apenas apelar para uma profissional. Para escolher a dama, Bruno pediu a um amigo que intercedesse no contrato amoroso. Temia entrar em sites pornográficos ou a frequentar casas de massagem. Dentre seus poucos amigos Epfânio fora escolhido para realizar as entrevistas preliminares. Após rejeitar algumas das jovens, Epfânio lembrou-se de Angel, uma colega da universidade que se sujeitava a prostituição para financiar os estudos. Ela era, além de bonita, discreta, culta e meiga.
         Tudo arranjado, Bruno partiu para o quarto do hotel como um recém casado em lua-de-mel, e lá, esperou pela surpresa. Não tardou a chegada de Angel, que se vestia com sobriedade e não utilizara nenhuma maquiagem. A batida na porta do quarto acelerou o coração ansioso de Bruno, e ao abri-la, quase desmaiou diante da beleza da jovem prostituta. Refeito do susto, Bruno desculpou-se:
         --- Perdo...do...e...me. En...tre por fa...fa...vor.
         Angel sorriu ao notar o tamanho embaraço do homem a quem viera servir.
         --- Boa noite, Bruno. Tranquilize-se. Temos a noite toda. Disse-lhe, a jovem, em tom suave.
         Bruno se apressou para chegar à mesa e puxar, galantemente, a cadeira para seu par. Angel agradeceu, sentou-se e esperou que Bruno abrisse o champanhe e a servisse. Conversaram sobre vários temas, Bruno já mais calmo, pedindo licença, pretendia servir os tira-gostos.  Ao tempo que Angel bebia lentamente o doce líquido borbulhante, Bruno, ao pegar os quitutes para servir, tropeçou na cadeira e ao tentar se equilibrasse segurou na toalha de mesa. Não adiantou. Ele caiu de costas sobre o tapete felpudo, entornando a balde com gelo e o champanhe sobre o peito. Neste ínterim, Angel partiu para ajudá-lo e, no âmago do desastre, escorregou e caiu sobre Bruno. A aproximação dos corpos no gélido abraço aqueceu os corações dos amantes. Toda a preparação sucumbia ante o desejo do casal aflorado entre cubos de gelo e o borbulhante champanhe. Então, ali mesmo, amaram-se fervorosamente. A noite transcorreu agradável e gratificante para o casal. O amor operara o milagre. Ao acordar, Bruno sentiu a estranha sensação de que, apesar dos anos de espera, encontrara o amor de sua vida. Sentia-se seguro, apto. Sua gagueira havia desaparecido. Eliana, (Angel), negou-se ao cachê na manhã seguinte. Pouco mais de um mês depois do encontro, tendo como padrinhos Epfânio e a namorada, Bruno e Eliana se casaram. E pelo que sei, vivem felizes.
Outros contos de Ricardo Matos veja na Amazon.com - #RicardoMatos ou #LiteraturaAxé



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ostra

Ostras
Antes de sair do hotel, tendo a irmã Célia ao lado, escreveu para Ione: “Querida, sua detenção é passageira. Tudo não passa de um equívoco. O marido de Célia, e ele é muito influente, assegurou que eu a encontrarei livre no meu regresso. E que retornaremos a Paris sem nenhum problema. Sigo para Bahia nesta manhã, em busca daquele ferroviário, e já tenho reserva para voltar à noite. Por que diabo você se meteu a doutorar-se em ciências políticas e aventurar-se a fazer perguntas num momento como o atual? Com um beijão”. E assinou. A irmã riu ao ler o texto. Disse: -- Menina de família rica, tantos anos estudando na França, de repente presa, de repente podendo ser solta, que coisa mando preparar para jantarmos? Informou: -- Ione adora ensopado de filé com repolho. Filé cortado em pequenos pedaços, é claro. E como ela gosta de dizer, “mixórdia de picles”. Invenção dela. -- Como é que é isso? -- É simples: compre dois pacotes de picles, ponha tudo no liquidificador, misture com duas col…

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …