Pular para o conteúdo principal

Síndrome de Facebook


Síndrome de Facebook.


Fui procurar um psiquiatra, era a primeira vez que aceitava uma sugestão tão vexatória.  Ao chegar à sala de recepção impressionou-me o tom pastel da parede mostarda claro, a música ambiente e a calma inspirada pelo local. De cara percebi na parede réplica de um quadro de Diego Rivera e outra de Hieronymus Bosch, que me diziam, por dedução, que os psiquiatras eram PT.  Os direitistas preferem os clássicos renascentistas ou barroco, de preferência Velázquez . Os radicais de esquerda dão preferência a Miró, Dali, Van Gogh e Picasso. Após deleitar-me com as obras de arte caminhei até a recepcionista que me perguntou se era minha primeira consulta. Respondi que sim. Ela digitou algo no notebook e Dr. Eugenio Lino apareceu na recepção para indicar-me sua colega, Dr. Nadia.  Alegou ser melhor eu ser analisado por uma mulher. Coisa de Freud. Ótimo, pensei. Esta minha síndrome é coisa moderna e uma mulher poderá me entender melhor. Entrei no consultório e sentei-me na poltrona a frente da bela recepcionista onde pude ver a cor da calcinha, cor-de-rosa, quando ela cruzou as pernas. A bela ruiva me ofereceu um café. Eu aceitei. Propus adoçante, caso fosse sem aspartame, e disse: “melhor ainda com leite”. Ela disse tem. E em seguida se levantou e entrou num compartimento separado por um biombo. Retornou com o menorzinho numa bandeja em pires e xícara de porcelana branca. Peguei-o da bandeja e pude notar, quando ela se abaixou para me servir, um belo par de seios quase fugindo do sutiã, também cor-de-rosa.  Perguntei, ansioso, se seria logo atendido, ela apontou para um pequeno lustre preso ao lado de uma das portas aceso em vermelho. Depois ela me disse: “quando ficar verde o senhor poderá entrar”. Não conseguia parar de olhar para recepcionista que, após levar de volta a bandeja, sentou-se e continuou digitando algo em seu aparelho. Tentei puxar assunto e perguntei a ela o nome. Ela respondeu Ângela sem retirar os olhos do livro eletrônico. Bebi o café lentamente mirando ora as belas pernas de Ângela, ora a luz insistentemente vermelha. Após beber o café, para não incomodá-la, levantei e levei os utensílios para trás do biombo colocando-os sobre a bandeja. Quando retornava a poltrona à luz miraculosamente esverdeou e abrindo a maçaneta entrei. Na sala uma mulata deslumbrante sentada numa poltrona de encosto alto apontou o divã branco e disse: “sente-se e relaxe”. Sentei-me como se sentasse numa cadeira. Ela perguntou se não queria deitar, eu respondi não. Ela não insistiu. Com uma voz suave perguntou qual meu desconforto. Eu disse: doutora, eu não consigo parar de curtir. Ela olhou-me meio sem entender a frase e perguntou. Como assim? Eu repeti. Não consigo parar de curtir, estou curtindo até foto de bolo. Ela ainda sem entender me sugeriu: “vamos por partes”. Desde quando o senhor curte. Respirei fundo e resolvi deitar no divã. Fechei os olhos e contei: Tudo culpa de Guiga. Sim. Culpa de Guiga. A doutora  intercedeu. Quem é Guiga? Respondi: “é meu irmão”. E expliquei: “Eu vivia bem até Guiga me presentear com um microcomputador e me fazer criar um perfil no Facebook”. Sim. Disse ela curiosa: “continue”. Eu continuei. De início, doutora, eu só curtia postagens de relevância, postagens que me tocavam na profundeza da alma. Coisas como uma pintura de Dali, uma música do Djavan, às vezes, quase a contra gosto, curtia uma foto com dizeres de autoajuda. Mas aos poucos fui cedendo à tentação e iniciei a cutucar de volta quem me cutucava. Fui aderindo os amigos que me solicitavam, e comecei a compartilhar também. Não demorou e eu me metia nos mais diferentes assuntos. Comecei a comentar indiscriminadamente sobre qualquer tema. Cheguei ao cúmulo de não acreditar que a direita golpista usara o “mensalão”, não como um artifício político-eleitoral, e sim, que fora usado como uma conspiração para volta da ditadura militar no Brasil. E pior, imaginei que eles queriam dar um golpe de estado para derrubar o PT... – “Calma, Sr. Ricardo”. Ponderou a doutora. —  Balançando involuntária e insistentemente a perna e repetindo estou calmo, estou calmo... — Eu conclui. — ...contudo isso não é o pior, doutora. Hoje me peguei desejando parabéns para o aniversário de uma confeitaria, e, no sábado passado, atendendo apelo insistente de meu filho fomos à praia. Lá, por um desses inexplicáveis mistérios da vida, fui cantado por uma deslumbrante jovem. Só que, ao invés de convidá-la para sair ou pedir o telefone, perguntei se ela me aderiria no facebook.  A doutora, sem pestanejar, perguntou-me: “posso acessar seu perfil?” Imaginando que ela me analisaria, dei meus dados do facebook e descobri que ela também era minha amiga virtual. Após averiguar meu perfil com cuidado, ela veio até onde eu estava deitado, olhou-me nervosa, segurou-me pelos cabelos e batendo violentamente minha cabeça contra o divã gritou: VOCÊ  CURTE QUALQUER PORCARIA! SÓ AS MINHAS POSTAGENS VOCÊ  NÃO CURTE! POR QUE VOCÊ SE NEGA A CURTIR MINHAS POSTAGENS! POR QUÊ?!... 

Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkk só posso começar meu comentário dando grandes gargalhadas, você é ótimo, amei o texto, a calcinha cor de rosa, maravilha, eu também vi kkkkkkkkkkk grande abraço

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkk só posso começar meu comentário dando grandes gargalhadas, você é ótimo, amei o texto, a calcinha cor de rosa, maravilha, eu também vi kkkkkkkkkkk grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…