Pular para o conteúdo principal

Síndrome de Facebook


Síndrome de Facebook.


Fui procurar um psiquiatra, era a primeira vez que aceitava uma sugestão tão vexatória.  Ao chegar à sala de recepção impressionou-me o tom pastel da parede mostarda claro, a música ambiente e a calma inspirada pelo local. De cara percebi na parede réplica de um quadro de Diego Rivera e outra de Hieronymus Bosch, que me diziam, por dedução, que os psiquiatras eram PT.  Os direitistas preferem os clássicos renascentistas ou barroco, de preferência Velázquez . Os radicais de esquerda dão preferência a Miró, Dali, Van Gogh e Picasso. Após deleitar-me com as obras de arte caminhei até a recepcionista que me perguntou se era minha primeira consulta. Respondi que sim. Ela digitou algo no notebook e Dr. Eugenio Lino apareceu na recepção para indicar-me sua colega, Dr. Nadia.  Alegou ser melhor eu ser analisado por uma mulher. Coisa de Freud. Ótimo, pensei. Esta minha síndrome é coisa moderna e uma mulher poderá me entender melhor. Entrei no consultório e sentei-me na poltrona a frente da bela recepcionista onde pude ver a cor da calcinha, cor-de-rosa, quando ela cruzou as pernas. A bela ruiva me ofereceu um café. Eu aceitei. Propus adoçante, caso fosse sem aspartame, e disse: “melhor ainda com leite”. Ela disse tem. E em seguida se levantou e entrou num compartimento separado por um biombo. Retornou com o menorzinho numa bandeja em pires e xícara de porcelana branca. Peguei-o da bandeja e pude notar, quando ela se abaixou para me servir, um belo par de seios quase fugindo do sutiã, também cor-de-rosa.  Perguntei, ansioso, se seria logo atendido, ela apontou para um pequeno lustre preso ao lado de uma das portas aceso em vermelho. Depois ela me disse: “quando ficar verde o senhor poderá entrar”. Não conseguia parar de olhar para recepcionista que, após levar de volta a bandeja, sentou-se e continuou digitando algo em seu aparelho. Tentei puxar assunto e perguntei a ela o nome. Ela respondeu Ângela sem retirar os olhos do livro eletrônico. Bebi o café lentamente mirando ora as belas pernas de Ângela, ora a luz insistentemente vermelha. Após beber o café, para não incomodá-la, levantei e levei os utensílios para trás do biombo colocando-os sobre a bandeja. Quando retornava a poltrona à luz miraculosamente esverdeou e abrindo a maçaneta entrei. Na sala uma mulata deslumbrante sentada numa poltrona de encosto alto apontou o divã branco e disse: “sente-se e relaxe”. Sentei-me como se sentasse numa cadeira. Ela perguntou se não queria deitar, eu respondi não. Ela não insistiu. Com uma voz suave perguntou qual meu desconforto. Eu disse: doutora, eu não consigo parar de curtir. Ela olhou-me meio sem entender a frase e perguntou. Como assim? Eu repeti. Não consigo parar de curtir, estou curtindo até foto de bolo. Ela ainda sem entender me sugeriu: “vamos por partes”. Desde quando o senhor curte. Respirei fundo e resolvi deitar no divã. Fechei os olhos e contei: Tudo culpa de Guiga. Sim. Culpa de Guiga. A doutora  intercedeu. Quem é Guiga? Respondi: “é meu irmão”. E expliquei: “Eu vivia bem até Guiga me presentear com um microcomputador e me fazer criar um perfil no Facebook”. Sim. Disse ela curiosa: “continue”. Eu continuei. De início, doutora, eu só curtia postagens de relevância, postagens que me tocavam na profundeza da alma. Coisas como uma pintura de Dali, uma música do Djavan, às vezes, quase a contra gosto, curtia uma foto com dizeres de autoajuda. Mas aos poucos fui cedendo à tentação e iniciei a cutucar de volta quem me cutucava. Fui aderindo os amigos que me solicitavam, e comecei a compartilhar também. Não demorou e eu me metia nos mais diferentes assuntos. Comecei a comentar indiscriminadamente sobre qualquer tema. Cheguei ao cúmulo de não acreditar que a direita golpista usara o “mensalão”, não como um artifício político-eleitoral, e sim, que fora usado como uma conspiração para volta da ditadura militar no Brasil. E pior, imaginei que eles queriam dar um golpe de estado para derrubar o PT... – “Calma, Sr. Ricardo”. Ponderou a doutora. —  Balançando involuntária e insistentemente a perna e repetindo estou calmo, estou calmo... — Eu conclui. — ...contudo isso não é o pior, doutora. Hoje me peguei desejando parabéns para o aniversário de uma confeitaria, e, no sábado passado, atendendo apelo insistente de meu filho fomos à praia. Lá, por um desses inexplicáveis mistérios da vida, fui cantado por uma deslumbrante jovem. Só que, ao invés de convidá-la para sair ou pedir o telefone, perguntei se ela me aderiria no facebook.  A doutora, sem pestanejar, perguntou-me: “posso acessar seu perfil?” Imaginando que ela me analisaria, dei meus dados do facebook e descobri que ela também era minha amiga virtual. Após averiguar meu perfil com cuidado, ela veio até onde eu estava deitado, olhou-me nervosa, segurou-me pelos cabelos e batendo violentamente minha cabeça contra o divã gritou: VOCÊ  CURTE QUALQUER PORCARIA! SÓ AS MINHAS POSTAGENS VOCÊ  NÃO CURTE! POR QUE VOCÊ SE NEGA A CURTIR MINHAS POSTAGENS! POR QUÊ?!... 

Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkk só posso começar meu comentário dando grandes gargalhadas, você é ótimo, amei o texto, a calcinha cor de rosa, maravilha, eu também vi kkkkkkkkkkk grande abraço

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkk só posso começar meu comentário dando grandes gargalhadas, você é ótimo, amei o texto, a calcinha cor de rosa, maravilha, eu também vi kkkkkkkkkkk grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

Foi ali comprar cigarros (Um conto de carnaval).

. Quinta-feira pré-carnaval, o calor estava beirando o insuportável. Na TV mulheres seminuas se rebolavam em frenesi, Alzira, minha mulher, olhou-as com desdém e comentou antes de desligar a TV, — São umas vadias turbinadas de silicone. De vez em quando morre uma no bisturi, bem feito. - 0 – Alzira, apesar dos 37 anos, fisicamente, ainda é uma mulher bonita. A conheci na faculdade no curso de Arquitetura, eu estava me formando e ela era caloura. Nos aproximamos em um bar perto da faculdade. Muito bonita: pele morena da cor de chocolate, olhos amendoados, corpo tipo mignon e um belo sorriso. Sempre dei preferência às mulatas do tipo violão. Ela se destacava pela desenvoltura, tinha aquele brilho no olhar de quem é feliz. Sorria sem esforço das coisas mais bobas e era um sorriso autêntico, — Nada me mostra mais a personalidade de uma pessoa que o sorriso. Tenho verdadeiro asco de quem coloca no rosto aquele sorriso de atriz. — Gasparzinho foi quem me convidou para sentar-me à mesa com …

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…