Pular para o conteúdo principal

O Jantar.

O jantar.

Baiana de Salvador, praieira da Pituba, crescida nos sabores da pimenta, da farofa e do dendê, calhou-me de namorar  Herbeth. Um homem bonito, socialmente estável e muito sofisticado. Era aquele tipo de pessoa que sabia recitar, como se fosse versículos da Bíblia, uma carta de vinhos. “Você conhece a qualidade de um bom restaurante pelo garçom” – Ele afirmava demonstrando fidalguia. – “Ao arrumar a mesa o copo de vinho deve ficar a direita do copo d’água. Ao servir o vinho a regra é simples. A quantidade de vinho no copo deve ser: um terço do copo em caso de ser vinho tinto. Meio copo no caso do vinho branco e três quartos do copo no caso de espumante...”
Geralmente, era nessas horas que eu o beijava para evitar o restante da resenha. Ele sorria entendendo a minha atitude e mudava o assunto. Meu irmão caçula o adorava. Quando viajava trazia sempre um suvenir para meus pais e um brinquedo para Zé. Certa feita ele me trouxe de presente uma matrioskas, aquela boneca russa, colorida, que uma vem dentro da outra, lindas. Para mim ele explicou ser símbolo de fertilidade. Meu pai adorou, tanto que as colocou em lugar de destaque sobre uma peça de jacarandá que minha mãe herdara. Mas Zé arranjou logo uma serventia melhor para a boneca, ela, desmontada, se multiplicavam e se tornaram pinos de boliche que ele jogava com bola de meia.
Pela introdução já deu para perceber que existia uma diferença cultural entre nossas famílias. Meu pai, às vezes, disfarçava o riso das cerimônias de Herbeth. Mesmo no maior calor ele costumava se vestir com traje social fosse que fosse à hora de aparecer para me buscar. E, quase sempre, dava de cara com meu pai de pijama e meu irmão, Zé, de sunga. Eu, nessa situação, pisava em ovos. Vestia-me adequadamente e procurava me comportar elegantemente, mesmo achando ser frescura. Certa noite meus país saíram para assistir a uma peça teatral e me pediram para cuidar de Zé. Não tive como recusar o pedido. Porém eu vacilei com o feijão ao me arrumar para esperar pelo Herbeth, e o feijão queimou. Fiquei triste. Como já estava toda arrumada não quis refazer o jantar. Quando meu namorado chegou contei o acontecido. Galantemente, Heberth disse: “fique calma, amor. Vamos ao restaurante, jantaremos e traremos algo para seus pais.
Conhecendo Zé como eu conhecia, falei que seria melhor pedir pizzas. Que eu não me sentiria bem ir para longe levando Zé que aprontaria uma das suas. Após uma conversa resolvemos ir ao restaurante Chinês. O restaurante ficava quase defronte da minha casa. Aleguei que de vez em vez meu pai pedia um prato muito saboroso. Era uma carne cortada em filetes com bastante cebola e pimentão ao molho. Era sempre acompanhada de arroz chop suey. O Zé, naquela época, tinha uns doze ou treze  anos e era muito danado. Arrumei Zé e fomos ao restaurante. O lugar estava lotado, mas Zé já foi se antecipando aos outros fregueses que esperavam na fila, e, sentou-se a mesa de um casal que esperava pela conta. Assim, na maior cara-de-pau. Inteligentemente, a dona do restaurante mentiu ao dizer, na fila, que a mesa estava reservada para nós com antecedência. Acredito que Zé já devia ser conhecido na área. Visto que o garçom apressou-se em arrumar a mesa e liberar o cliente anterior.
Nessa altura vergonha alheio era o mínimo que eu sentia. Herbeth estava pálido. Sabe aquele tipo de homem que come os rolinhos da entrada com garfo e faca e com os cotovelos colados as costelas. É. Herbeth era um desses. Já Zé só usou o guardanapo quando o ameacei de lhe dar uns cascudos ao chegarmos a nossa casa. Porém, quanto a Zé enfiar o rolinho diretamente no molho não deu para evitar, ao perceber ele já o fazia.
Chegou o pedido e Zé se levantou, apanhou a chave de casa e saiu. Como ele sabia se virar eu não dei maior importância. Não demorou e volta Zé com uma vasilha cheia de farofa de manteiga de garrafa e a pimenteira com molho lambão.
Acredito ter sido ali que perdi o namorado.  Quando vi Zé encher o prato com farofa e se lambuzar não tive dúvida. Coloquei farofa também em meu prato, umas três colheres de molho lambão e comi gulosamente. Claro que como gentleman Herbeth não terminou comigo ali. Só foi se distanciando, aos poucos, até sumir. O mais engraçado é que um senhor sentado a mesa ao lado, pediu também da farofa para experimentá-la e, ao que parece, ele gostou. Tanto quê, a partir daquele dia, o restaurante Chinês passou a oferecer no cardápio, separado, a porção de farofa de manteiga e o molho de pimenta.      

    

Comentários

  1. Parece até que eu estava presente, dada a riqueza de detalhes, Vanjoca, tadinha como sofreu kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…