Pular para o conteúdo principal

Amor em Wi Fi


Madrugada. Fazia um frio de congelar pinguim quando deitei em minha cama sob o edredom. Sonhei que acordara numa grande festa onde condicionadores de ar refrigeravam em demasia o ambiente. Os casais, finamente vestidos, rodopiavam em valsas completamente fora do ritmo, já que a banda tocava, em estrondosa altura, o sucesso “saia de bicicletinha” de Aviões do forró.
Andei até o balcão ao fundo do imenso salão na tentativa de beber um conhaque ou mesmo solver um gole de cachaça para me aliviar do frio intenso. Então, apareceu do nada, sobre o palco um senhor alto e de porte nobre que carregava na mão um cajado. Ele bateu, firme, por três vezes a ponta do cabo do bastão, de prata, no piso de madeira, interrompendo o festejo. Vinda do outro lado do salão uma voz feminina perguntou-lhe:
— Senhor! Encontrou o amor? Ele ainda existe?
Ele, secamente, respondeu: “Não. Não existe mais amor.”
Olhei os rostos dos casais mais próximos e pude notar, nitidamente, a decepção impressa em seus semblantes ante a triste notícia. 
Ele completou: — “Percorri o mundo, andei em terras, naveguei em mares, viajei por locais onde nem a luz do sol se atreveu a ir e só encontrei desilusão.”
Um véu cinza, formado por nuvem de microchips, inexplicavelmente, também  surgido do nada, preencheu o salão que antes fora multicolorido. Crianças, das mais diversas nacionalidades e raças, correram ao encontro do homem e prostraram-se a sua frente. Estavam aterrorizadas. Uma delas, engolindo as lágrimas que lhe escorria até a boca, abraçou as pernas de uma jovem mulher que estava próxima a ela e gritou:
— Mãe, você mentiu para mim, você disse que me amava!
Aos que ouviram o lamento da criança, em uma cena deprimente, choraram em convulsão. Outros, sem saber bem o que estava acontecendo, puseram as mãos na cabeça e saíram a perguntar por onde passavam: “o que foi?”, “o que foi?...” 
Tons dissonantes soaram mais forte de sobre o palco. A banda, que agora tocava a marcha fúnebre numa pegada de lambada, fazia que as bailarinas perdessem o rebolado numa estranha coreografia.
Os  corações palpitantes dos corpos dos casais, agora nus e desesperados, tentavam em vão se consolar através de mensagens cifradas. As paredes firmes do salão foram se liquefazendo e o piso, antes de mármore, tornou-se um emaranhado de fios e luzes. Todos os do local, desesperados, olharam as crianças se transformarem em máquinas frias, cujo uso, agora, tinha a função doméstica de preencher espaços, comemorar datas festivas e serem fotografadas, para as fotos, sorridentes, serem postadas nas diversas redes sociais. E quando o mesmo processo iniciou entre os adultos, e seus braços e pernas se transformavam numa rede de finíssimas fibras ópticas, e os rostos se transmutaram para compor telas de cristal líquido,  o Senhor ergueu o estandarte e gritou: -- “Fria e eterna necessidade! Se cada um é suficiente a si, por que buscar o amor? Vocês se fizeram seu próprio carrasco.  Que agora paguem o preço!”
            Acordei assustado. Joguei fora meu smartphone pela janela,  sai apressado para casa da namorada, e, sem mínima explicação, levei-a ao restaurante mais caro da cidade para pedi-la em casamento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

Foi ali comprar cigarros (Um conto de carnaval).

. Quinta-feira pré-carnaval, o calor estava beirando o insuportável. Na TV mulheres seminuas se rebolavam em frenesi, Alzira, minha mulher, olhou-as com desdém e comentou antes de desligar a TV, — São umas vadias turbinadas de silicone. De vez em quando morre uma no bisturi, bem feito. - 0 – Alzira, apesar dos 37 anos, fisicamente, ainda é uma mulher bonita. A conheci na faculdade no curso de Arquitetura, eu estava me formando e ela era caloura. Nos aproximamos em um bar perto da faculdade. Muito bonita: pele morena da cor de chocolate, olhos amendoados, corpo tipo mignon e um belo sorriso. Sempre dei preferência às mulatas do tipo violão. Ela se destacava pela desenvoltura, tinha aquele brilho no olhar de quem é feliz. Sorria sem esforço das coisas mais bobas e era um sorriso autêntico, — Nada me mostra mais a personalidade de uma pessoa que o sorriso. Tenho verdadeiro asco de quem coloca no rosto aquele sorriso de atriz. — Gasparzinho foi quem me convidou para sentar-me à mesa com …

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…