Pular para o conteúdo principal

A Morte da Amada.


            

Lutuoso, encontro-me parado diante do espelho. Não me espantam as marcas do tempo esculpidas em meu rosto ou o prateado dos meus cabelos ralos.
Fixo o olhar nos olhos castanhos do meu reflexo. A imaginação solta me permite buscar na memória sonhos vividos. Serenas e dolorosas as sílabas roucas das palavras me escapam da boca num murmúrio: — Maria, nem mesmo a morte irá nos separar...

Observo lágrimas que escorrerem, lentamente, até meus lábios secos. Provo seu gosto marinho e deixo-me sonhar.

            “Vejo-a caminhando em meio a dezenas de crianças, lentamente, como se levasse um segredo a mais no coração. Está linda e porta um sorriso meigo nos lábios. Seus olhos cintilam cálidos ao atravessar o vasto salão da Igreja Metodista. Sinto a mesma ansiedade de quando a esperava ao final do culto dominical para surpreendê-la com um arranjo de flores. Doze botões de rosas vermelhas, os espinhos, meticulosamente arrancados e as flores envoltas em papel celofane branco, atado por um laço de fita azulíssima.”
Maldita doença! As palavras escapam-me agora com fúria. Sinto-me saqueado pelo dramático acontecimento. Engulo a raiva a seco. É hora de me aprontar, hora do último Adeus. Lavo os olhos inchados da noite em claro e me visto apressado. Filhos e netos me aguardam.
Não tardamos a chegar ao cemitério. Observo seu corpo inerte, impassível a dor que a circunda. Ouço comentários sobre sua espontaneidade e bondade caráter. Olho mais uma vez o cadáver envolto por flores. Vem-me a impressão que ela está a meu lado, rindo como sempre. Serena, cativante e companheira leal de todas as horas.
Meu neto mais novo, alheio em sua meninice, corre para o jardim. Eu o sigo. Ele para de súbito em frente às roseiras e sorri. Uma certeza me invade. Sim, as rosas, rosas em botão, rosas que irão desabrochar, e ela, em meio a anjos, esperará minha chegada. Estou certo que trará nas mãos o mistério de um arranjo em botão de rosas vermelhas, envolta por nuvens brancas e atada por uma fita azulíssima rasgada do céu para surpreender-me...
— Vovô. No que o senhor está pensando?
— No amor, querido. A morte não existe quando o amor é verdadeiro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…