Pular para o conteúdo principal

O barco de papel -

      

            Quando criança, eu esperava as tempestades das águas de março. O papel ofício, roubado do gabinete de meu pai, era meticulosamente parafinado com os tocos de vela, que guardava, quando a troca era feita por minha mãe, em honra de a Santa Teresa de Lisieux. Deitava a folha branca em piso liso e, meticulosamente, ia impermeabilizando-a com a parafina em verso e anverso. As dobras, no papel, se repetiam até está concluído o chapéu de Napoleão. Era assim que o chamava na décima dobradura, quando, com lápis de cera, eu desenhava seus navegadores. Meus personagens preferidos, riscados a cores, na ponta do chapéu, eram os piratas Barba Ruiva ou Barba Negra. Ao desenhá-los, com o tapa olho, eu os imaginava gritando: “Todos ao convés, pestilentos; carregar os canhões” e quase que via as naus espanholas tentarem fugir da salva de tiros que derrubava mastros e velas ao gritar: “Preparar; apontar; fogo!”. E partíamos atrás, para abalroá-los, navegando “a todo pano”. Imaginava os tesouros que enterraríamos em ilhas paradisíacas e desertas no mediterrâneo, antes de irmos nos embriagar com as dançarinas de Ula Ula em Tortuga... Mais quatro dobradas e minha embarcação ficava quase pronta. Faltava desenhar as escotilhas e por a âncora, que fazia com um clips e um taquinho de cordão.   Quando minha mãe se distraia, eu pegava um ou dois marinheiros, raptados do Forte Apache que meu irmão caçula ganhara no Natal. Outra opção era fazê-los com massa de modelar, quando as tinha para isso, e pronto, era só esperar a chuvarada.
O céu cinza escuro terminava por deixar a chuva cair e, novamente, escondido, eu saia pela porta do fundo de minha casa e subia a rua correndo para soltar o barco na corredeira da sarjeta, que a água límpida trazia de volta, na Avenida Paulo VI, até a porta de casa. Assim eu ficava indo e voltando sob a chuva, a navegar os sete mares,  enquanto não era descoberto por algum vizinho fofoqueiro ou pela empregada para me denunciar. Eu acreditava que me deduravam por inveja, mas minha mãe dizia, enquanto me enxugava para poder trocar de roupa,  que era “por quererem o meu bem”. Não sabiam eles que chuva não mata? E por “quererem o meu bem”, eles só conseguiam encurtar minha alegria, estancar minha felicidade. Daí concordar com a frase que hoje pouco ouço, mas meu pai a dizia sempre: “De boas intenções o inferno está lotado”.
  
Ricardo Matos.


Comentários

  1. Interessante. Por que você não dá seguimento ao blogue publicando seus escritos e o de seu pai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sofri um enfarto, priorizei a saúde. Já operei e estou retornando e já publiquei um Romance e eu novo conto de Ari, meu pai. Espero voltar a escrever em breve, Deus Carmo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…