Pular para o conteúdo principal

O barco de papel -

      

            Quando criança, eu esperava as tempestades das águas de março. O papel ofício, roubado do gabinete de meu pai, era meticulosamente parafinado com os tocos de vela, que guardava, quando a troca era feita por minha mãe, em honra de a Santa Teresa de Lisieux. Deitava a folha branca em piso liso e, meticulosamente, ia impermeabilizando-a com a parafina em verso e anverso. As dobras, no papel, se repetiam até está concluído o chapéu de Napoleão. Era assim que o chamava na décima dobradura, quando, com lápis de cera, eu desenhava seus navegadores. Meus personagens preferidos, riscados a cores, na ponta do chapéu, eram os piratas Barba Ruiva ou Barba Negra. Ao desenhá-los, com o tapa olho, eu os imaginava gritando: “Todos ao convés, pestilentos; carregar os canhões” e quase que via as naus espanholas tentarem fugir da salva de tiros que derrubava mastros e velas ao gritar: “Preparar; apontar; fogo!”. E partíamos atrás, para abalroá-los, navegando “a todo pano”. Imaginava os tesouros que enterraríamos em ilhas paradisíacas e desertas no mediterrâneo, antes de irmos nos embriagar com as dançarinas de Ula Ula em Tortuga... Mais quatro dobradas e minha embarcação ficava quase pronta. Faltava desenhar as escotilhas e por a âncora, que fazia com um clips e um taquinho de cordão.   Quando minha mãe se distraia, eu pegava um ou dois marinheiros, raptados do Forte Apache que meu irmão caçula ganhara no Natal. Outra opção era fazê-los com massa de modelar, quando as tinha para isso, e pronto, era só esperar a chuvarada.
O céu cinza escuro terminava por deixar a chuva cair e, novamente, escondido, eu saia pela porta do fundo de minha casa e subia a rua correndo para soltar o barco na corredeira da sarjeta, que a água límpida trazia de volta, na Avenida Paulo VI, até a porta de casa. Assim eu ficava indo e voltando sob a chuva, a navegar os sete mares,  enquanto não era descoberto por algum vizinho fofoqueiro ou pela empregada para me denunciar. Eu acreditava que me deduravam por inveja, mas minha mãe dizia, enquanto me enxugava para poder trocar de roupa,  que era “por quererem o meu bem”. Não sabiam eles que chuva não mata? E por “quererem o meu bem”, eles só conseguiam encurtar minha alegria, estancar minha felicidade. Daí concordar com a frase que hoje pouco ouço, mas meu pai a dizia sempre: “De boas intenções o inferno está lotado”.
  
Ricardo Matos.


Comentários

  1. Interessante. Por que você não dá seguimento ao blogue publicando seus escritos e o de seu pai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sofri um enfarto, priorizei a saúde. Já operei e estou retornando e já publiquei um Romance e eu novo conto de Ari, meu pai. Espero voltar a escrever em breve, Deus Carmo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …

Um conto de Natal.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…