Pular para o conteúdo principal

O barco de papel -

      

            Quando criança, eu esperava as tempestades das águas de março. O papel ofício, roubado do gabinete de meu pai, era meticulosamente parafinado com os tocos de vela, que guardava, quando a troca era feita por minha mãe, em honra de a Santa Teresa de Lisieux. Deitava a folha branca em piso liso e, meticulosamente, ia impermeabilizando-a com a parafina em verso e anverso. As dobras, no papel, se repetiam até está concluído o chapéu de Napoleão. Era assim que o chamava na décima dobradura, quando, com lápis de cera, eu desenhava seus navegadores. Meus personagens preferidos, riscados a cores, na ponta do chapéu, eram os piratas Barba Ruiva ou Barba Negra. Ao desenhá-los, com o tapa olho, eu os imaginava gritando: “Todos ao convés, pestilentos; carregar os canhões” e quase que via as naus espanholas tentarem fugir da salva de tiros que derrubava mastros e velas ao gritar: “Preparar; apontar; fogo!”. E partíamos atrás, para abalroá-los, navegando “a todo pano”. Imaginava os tesouros que enterraríamos em ilhas paradisíacas e desertas no mediterrâneo, antes de irmos nos embriagar com as dançarinas de Ula Ula em Tortuga... Mais quatro dobradas e minha embarcação ficava quase pronta. Faltava desenhar as escotilhas e por a âncora, que fazia com um clips e um taquinho de cordão.   Quando minha mãe se distraia, eu pegava um ou dois marinheiros, raptados do Forte Apache que meu irmão caçula ganhara no Natal. Outra opção era fazê-los com massa de modelar, quando as tinha para isso, e pronto, era só esperar a chuvarada.
O céu cinza escuro terminava por deixar a chuva cair e, novamente, escondido, eu saia pela porta do fundo de minha casa e subia a rua correndo para soltar o barco na corredeira da sarjeta, que a água límpida trazia de volta, na Avenida Paulo VI, até a porta de casa. Assim eu ficava indo e voltando sob a chuva, a navegar os sete mares,  enquanto não era descoberto por algum vizinho fofoqueiro ou pela empregada para me denunciar. Eu acreditava que me deduravam por inveja, mas minha mãe dizia, enquanto me enxugava para poder trocar de roupa,  que era “por quererem o meu bem”. Não sabiam eles que chuva não mata? E por “quererem o meu bem”, eles só conseguiam encurtar minha alegria, estancar minha felicidade. Daí concordar com a frase que hoje pouco ouço, mas meu pai a dizia sempre: “De boas intenções o inferno está lotado”.
  
Ricardo Matos.


Comentários

  1. Interessante. Por que você não dá seguimento ao blogue publicando seus escritos e o de seu pai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sofri um enfarto, priorizei a saúde. Já operei e estou retornando e já publiquei um Romance e eu novo conto de Ari, meu pai. Espero voltar a escrever em breve, Deus Carmo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

Foi ali comprar cigarros (Um conto de carnaval).

. Quinta-feira pré-carnaval, o calor estava beirando o insuportável. Na TV mulheres seminuas se rebolavam em frenesi, Alzira, minha mulher, olhou-as com desdém e comentou antes de desligar a TV, — São umas vadias turbinadas de silicone. De vez em quando morre uma no bisturi, bem feito. - 0 – Alzira, apesar dos 37 anos, fisicamente, ainda é uma mulher bonita. A conheci na faculdade no curso de Arquitetura, eu estava me formando e ela era caloura. Nos aproximamos em um bar perto da faculdade. Muito bonita: pele morena da cor de chocolate, olhos amendoados, corpo tipo mignon e um belo sorriso. Sempre dei preferência às mulatas do tipo violão. Ela se destacava pela desenvoltura, tinha aquele brilho no olhar de quem é feliz. Sorria sem esforço das coisas mais bobas e era um sorriso autêntico, — Nada me mostra mais a personalidade de uma pessoa que o sorriso. Tenho verdadeiro asco de quem coloca no rosto aquele sorriso de atriz. — Gasparzinho foi quem me convidou para sentar-me à mesa com …

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…