Pular para o conteúdo principal

O Machista.


O machista.

Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou:
— Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre?
Dona Helena, prestativa, respondeu e perguntou.
— Claro! Quer que mande servir o carneiro? 
Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”.
Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritório. Ao entra no bar, Joel, dono do estabelecimento, apontou a Pedro Ivo a mesa onde Rubens se encontrava. Pedro Ivo foi em direção à mesa andando com os braços abertos e falando alto:
— Então... seu sacana! Nem me esperou.
     Acabei de chegar. Respondeu Rubens.
Rubens estava ansioso para saber o porque do convite e antes mesmo que Pedro Ivo se acomodasse foi inquirindo:
            — Me diga! O que de tão importante fez você se lembrar de mim? Faz anos que você desapareceu...
— Calma! Deixa-me aprumar. Você está bebendo o quê?
Enquanto Pedro Ivo se sentava, Rubens, bebendo o uísque de um só gole, respondeu e perguntou:
— Uísque... Vai beber o quê? — Sem dar a resposta, Pedro Ivo se voltou em direção ao garçom e a ele pediu:
— Traga-me uma garrafa de Teacher, e cabaço! E me traga também uma balde com gelo, — e completou, — com copos compatíveis. — Voltando-se para Rubens ele disse — É aconchegante o barzinho, você já o conhecia?
— Sim. Ficava próximo a minha casa, mudou-se a pouco para cá. Sou freguês...
— Então é aqui seu campo de caça?
— É... e esta mesa é estratégica.
— Como é mesmo o nome?
— Bar’Tal. Mas não foi por isso que você me convidou. Abra logo o jogo. Tem algo de misterioso em seu convite.
O garçom, equilibrando a bandeja, ofereceu o cardápio e servia o uísque fazendo que os amigos se calassem. Rubens quebrou o silêncio ao se dirigir ao garçom.
— Jacaré, deixe para servir os tira-gostos mais tarde. — Rubens devolveu o cardápio e pediu — Traga-me uma jarra com água de coco.— O garçom retirou-se e eles retomaram o assunto:
— Diga-me, Pedro Ivo, entrou em alguma fria?
— Rubens, — Pedro Ivo corou, sentiu-se constrangido, mas respondeu — É meio chato o que vou dizer... Sei que você gosta muito de sua irmã, mas resolvi me separar e não quero perder nossa velha amizade... Eu não estou agüentando mais... são brigas diárias. Por qualquer motivo nós brigamos. Mesmo pelos motivos banais nós quebramos-o-pau. Sexo!?, sua irmã não quer nem pensar! Acredito termos chegado a extremos. Você que já se separou por três ou quatro vezes, numa boa, pode me dar umas dicas.
— Ufa!Estou aliviado. — disse Rubens com verdade de sentimento — Pensei que você fosse me pedir dinheiro... é que não estou em boa fase. Fernando Henrique e Lula... estes idiotas me ferraram... Sim! Voltando ao assunto, eu não quero minimizar o seu problema. Toda separação é dificílima, envolve meandros emocionais, dinheiro, os filhos, é uma merda. No meu caso foram apenas duas separações e ambas complicadíssimas. Tão complexas que me mantenho solteiro. Relacionamentos só de carteira assinada e sem crias.
— Essa é nova. Como funciona isso?
— É fácil. Primeiro eu fiz vasectomia para evitar o golpe-da-barriga. Segundo: contrato a namorada como secretária, telefonista, empregada doméstica. Qualquer coisa a depender do nível social. Pago o salário em dia e cumpro todos os direitos que manda a C.L.T. Se melar, pago os 40% da multa, libero o F.G.T.S e demito, mando embora. Para evitar um processo de assédio só contrato depois de já ter comido.
— Você é um escroto, Rubens. Continua não tendo o mínimo de escrúpulos quando se trata de mulheres.
— Gato escaldado tem medo da própria urina... Errar uma vez é acaso; duas, é falta de sorte; três, já é burrice. — Mudando de assunto, Rubens se virou na direção do garçom e apressou ao pedido. Jacaré!, Réptil de bosta! Traga logo a água de coco.— Então se voltou para Pedro Ivo e perguntou retoricamente, — Que tipo de mulher você espera encontrar hoje meu querido cunhado. Quer outra Sandra? — e ele mesmo se responde. — Desista!
Pedro Ivo, discordando do cunhado, afirmou com um ar de empáfia:
— Que nada, amigo. O mundo está cheio de mulheres honestas ávidas por amor e carinho. Você deve estar desiludido, Rubens, só isso.
— Não é bem assim, — explicou Rubens de forma cínica, — Até posso acreditar que existam tais mulheres honestas e desejosas dum relacionamento estável. Porém, dentro das condições impostas por elas. Desde que os homens se sujeitem a ser tudo aquilo que elas odeiam nos próprios homens.
Pedro Ivo levando a sério às reflexões de Rubens se sentiu confuso e questionou-o:
— Não entendi o paradoxo... Você pirou?
— Talvez! Ou talvez seja por isso que você esteja se separando. Talvez você tenha desaprendido, como muitos hoje desaprenderam, de como ser homem...
— Assim você está me ofendendo...
Pedro Ivo entornou a dose de uísque e falou como se fosse levantar para ir embora, mas Rubens o segurou colocando a mão sobre o ombro dele e pediu.
Deixe-me concluir, amigo.  Não sugeri, apesar de ser moda, que você seja gay, mofino ou coisa parecida. Mas, os homens de agora, de tanto ouvirem e lerem sobre conjeturas psicológicas, de tanto atentarem as teorias dessas feministas de merda. Nós, e eu me incluo nisso com parcialidade, perdemos os princípios básicos que nos diferenciavam das mulheres. — Rubens completa enfático — Perdemos a razão e a autoridade, repito. Autoridade...  O poder! Um barco naufraga com dois mestres. Esse poder de igualdade cedido pelos homens as mulheres acabou por naufragar os relacionamentos estáveis e harmônicos das famílias. Não mude de mulher, mude de atitude. Tenha certeza que as fêmeas falam uma coisa, mas gostam indubitavelmente de outras. Quando elas alegam que esperam encontrar um homem sensível, dadivoso, sincero e fiel. Estão, na verdade, descrevendo o próprio corno conformado. E é o que elas odeiam. Aprendi isso às duras penas e não nego. Quando quis ser moderno, terminei por meter os pés pelas mãos. Hoje em dia, depois que reaprendi como tratá-las, não tenho tido mais problemas. Até as minhas ex-mulheres querem reatar comigo. Digo e afirmo com convicção: a maioria das mulheres gosta de homens que exercem poder sobre elas. Manda mais quem se importa menos. Mesmo que Sandrinha brigue, xingue, que faça muxoxo, não ceda. Imponha sempre sua vontade. As mulheres fazem seus discursos, contudo, amam mesmo a nós, os “porcos chauvinistas”. Não perca seu tempo tentando compreendê-las, elas são incoerentes, ilógicas e sadomasoquistas. Se uma mulher lhe disser que adora mimo não acredite. Quando uma mulher encontra um homem que a mime, otário é o adjetivo mais meigo por ela empregado para descrevê-lo. Por isso, amigo, se for dar presentes só o faça em ocasiões especialíssimas. As mulheres são tão loucas que se você der um mimo a elas sem razões específicas, elas imaginam logo que você fez algo de errado e se vingam sem pensar duas vezes. Elas odeiam ganhar presentes fora de hora... E nunca, nunca, meu amigo, seja sincero...         
— Você está louco!, Rubens. Quem vai acreditar em uma barbaridade dessa?
— Acredite, cunhado! É a mais pura verdade. Lembro-me de um caso que aconteceu comigo. Eu tinha marcado de passar a virada do ano em um hotel com a namorada. Já transávamos há um tempão...Coisa de meses... ela levou dois dias se aprontando. Comprou um vestido branco cheio de anáguas e babados, disse-me caríssimo. Fez cabelo, maquilou-se e coisa e tal... Na hora que parei o carro em frente à casa da distinta. Ela veio lentamente descendo às escadas passo a passo como que imitando uma atriz de Hollywood. Ai, com aquele ar de ‘pavoa’, me perguntou exigindo sinceridade: “— Como estou, amor?... mas seja sincero, exigiu...” — Ingenuamente eu respondi com toda a sinceridade exigida... Eu disse: “— Está ridícula! Parece uma baiana de acarajé fantasiada de macumbeira...” Ela voltou para casa e eu nunca mais a vi. Perdi uma excelente trepada. Por isso amigo, eu digo e repito: seja o mesmo homem que fez a Sandrinha se apaixonar... Que a fez escolhê-lo para pai dos filhos dela. Seja o Pedro Ivo do nosso tempo de faculdade... Não se lembra de como éramos?  Nós fazíamos uma dupla infernal.
             — Você se lembra? No “Copos & Copos bar...” Nós...            
Ao relembrar fatos passados os olhos de Pedro Ivo brilham, mas ao tentar expô-los foi interrompido por Rubens:
— Não! Foi no “Travessia”! Onde aquela menina cantava. Como é que ela chama... eu... porra, esqueci!
— Lembro, era Daniela Mércury...  
— Ela mesma. Você se recorda que eu ofereci um buquê de rosas a ela e ela, finíssima, após o Show, veio me agradecer pessoalmente. Pena que ela já era casada e não me deu a menor bola...
— Como era mesmo que fazíamos ao chegar ao bar?  UAUU, UAUU! — Pedro Ivo imitou o uivar do lobo. Rubens o acompanhou no uivar para a lua. Pedro Ivo notou que eles estavam sendo observados pelos outros freqüentadores do bar e, reprimindo-se, tentou refrear Rubens.
— Era ótimo, Rubens. Mas está todo mundo nos olhando.
— Fodam-se! Vim caçar e esse é meu grito de guerra.
— Contenha-se, Rubens. O dono do bar...
— Bobagem, Pedro Ivo. Olhe a lua, está linda, parece pratear a noite. Lembra-me até um poema de Ricardo Matos — Rubens levantou-se e declamou em alto e bom tom:

            Esse luar que a lua aduz  transmuta do ouro a prata e seduz ao desfilar seu brilho roubado. Puro luar, que a lua se reflete cheia, linda, nua e se faz minha.Oh! Primorosa lua! Estou aluado por amar o teu luar. 

O público aplaudiu em salva, alguns de pé, Rubens fez referência, sentou-se, e aconselhou o amigo:

             — Deixe seus instintos masculinos suplantarem suas frustrações pós-cabresto feminista. Viva! A morte é certa!, Pedro Ivo... — Jacaré! — Rubens gritou mais uma vez chamando o garçom que passava próximo. — Pode nos servir o carneiro agora, mas por caridade, sem os acompanhamentos supérfluos. Traga-me também a água de coco que você se esqueceu, seu mentecapto! — Já em um tom mais ameno, disse a Pedro Ivo:
              — Você vai saborear o melhor rodízio de carneiro de toda a Bahia. Não! Minto! De todo o mundo!
— Espero. Estou faminto. — comentou Pedro Ivo e acrescentou — Peça com sua peculiar sutileza para que o distinto réptil nos sirva outra garrafa de uísque. Esta já secou.
Rubens se espantou.  Não notara o quanto bebera e passou a se preocupar com o valor que seria cobrado na hora da conta.
— Porra!? Já acabamos a primeira!? Vou terminar a doze e peço um “velho oito”. Como você já sabe, eu não estou muito bom de grana.
Pedro Ivo vendo que belas jovens se enfileiravam na porta do sanitário quis impressioná-las e para se amostrar pediu o uísque na língua inglesa:
— That bill is mine. Ask if he wants the “White Horse”. 
Rubens que, assim como eu, nada sabia da língua inglesa confessou:
— Não entendi porra nenhuma, amigo. Traduza? — A conta é minha, pode pedir até um “Cavalo Branco” se desejar...
— Não! Ficamos no “Teacher” — Rubens solicitou ao garçom que rondava a mesa: — Anfíbio! Não se esqueça da água de coco que até agora você não trouxe. E traga logo outra garrafa de “Professor”... E traga rápido!
— Sim, Rubens. Bons e velhos tempos... pena que passaram. — Pedro Ivo foi acometido por uma dúvida singular e perguntou: — Jacaré é anfíbio?
— Sei lá! — Rubens não queria perder tempo pensando sobre o assunto e continuava verbalizando sua tese — O que importa é que o tempo só passa fisicamente. Não! Meu espírito é o mesmo, é exatamente o mesmo dos outros tempos.  Você é que se ‘aputou’ com a idade. Mas voltemos ao tema principal... Quer dizer que você vai largar aquele monumento de mulher. Vai jogar Sandrinha para as hienas.
— Não é bem assim, amigo. Eu ainda a amo. Amo demais meus filhos também. Mas minha vida está um inferno...
Com a aproximação do garçom Pedro Ivo se cala. O garçom, forra a mesa, põe sobre ela o outro litro de uísque, dois pratos, os talheres, a jarra com água de coco e um bilhete escrito num guardanapo de papel enviado por uma das jovens que os observava. 
— Jacaré! —Rubens dirigiu-se ao garçom já alterado etilicamente e usando da cacofonia brincou: — vou-me já. Quando eu voltar, quero abrir com uma costelinha bem apetitosa e para meu amado amigo Pedro Ivo sirva o mesmo. Depois... Suma!
Rubens caminhou até o “palácio-de-Baco” se desviando das mesas lotadas. Estava imaginando algum argumento que convencesse ao amigo e cunhado a desistir da decidida separação. Após aliviar a bexiga, levou mãos e rosto e, no retorno à mesa que ocupava, buscou identificar quem enviara o bilhete. Ao chegar à mesa, notou Pedro Ivo ruborizado.  As suculentas costeletas de carneiro já haviam sido servidas.
— Rubens, querido amigo, tem caçadoras na área. — Falou Pedro Ivo a Rubens, com um lasco de carne entre os dentes e se mostrando desconcertado com o assédio. 
— Ótimo, mas primeiro as costelinhas... Leia-me o bilhete.
— Em voz alta? — Retrucou Pedro Ivo.
— Claro!, — ironizou Rubens, — em voz baixa eu não conseguirei ouvi-lo. Leia logo seu merda.
— É de sacanagem... — Pedro Ivo estava corado.
— Leia porra! Estou com as mãos ocupadas. — Exclamou Rubens já irritado com o constrangimento do cunhado.
— Ok! Lerei. Ainda acabrunhado Pedro Ivo lê: “Gatos, não estamos usando calcinha e vocês estão de costas pra gente”.
— Pedro, é para você se virar e identificar as moças. — Rubens limpou as mãos num dos guardanapos limpo, puxou a cadeira livre e a colocou na posição adequada para localizar as autoras do bilhete. Então ordenou: — Senta aqui e me mostre que você continua sendo homem. Não vá decepcionar seu velho amigo.
— Estou sem ação...— respondeu Pedro Ivo.
— Esse é o seu problema, amigo. Sirva-me um uísque, eu vou até a mesa. Mas já aviso: se tiver uma omoplata, ela é sua.
Rubens tentou se levantar, Pedro Ivo o segurou por alguns segundo e pediu:
— Senta! Vou mudar de lugar. Se valer à pena vou até lá. Mas que porra é omoplata? Traduza!
— Larga, chata e triangular.
Pedro Ivo sentou-se na cadeira previamente ajeitada. Observou duas jovens que aparentavam idade aproximada de 25 anos e concluiu,
Duas gatas.
— De onde estou não dá pra ver direito. Elas estão realmente sem as calcinhas? —Perguntou Rubens curioso.
— Também não esta dando pra ver. Mas elas estão nos observando. Se eu for lá é separação garantida. Isso se Sandra não me matar primeiro.
— Vamos resolver primeiro a questão de Sandrinha. Aprenda com o mestre. Jacaré! —chamou Rubens o garçom — Traga-me já um catálogo telefônico. 
            O garçom ocupado ao servir outras mesas se fingiu surdo e continuou o trabalho.
— Rubens. Vou ligar para Sandra e avisar que estou com você. Sei que ela te adora. Ai você confirma que eu estou com você.
— Porra nenhuma. Você vai resolver sua vida hoje. Faço questão de ver você e Sandrinha numa boa. A hora é esta. Não preste satisfação alguma a ela. O que você vai fazer é seguir minhas ordens ao pé da letra. Garanto-lhe que você viverá feliz com sua família. Se não, eu o apresento a meu advogado.
— Olhe lá! Veja bem em que merda você vai me meter.
— Cabeça de gelo, cunhado. — Anfíbio duma figa — Gritou enfático Rubens — Cadê o catálogo? — E voltou suas atenções para Pedro Ivo — O que você vai fazer é pegar o celular, ligar pra floricultura e mandar elaborar dois buquês de rosas. Um buquê com rosas cor-de-rosa pra mesa das meninas, e outro arranjo com rosas vermelhas é pra você levar pra sua casa depois que sairmos do motel com essas duas. Vá lá no balcão. Pegue no catálogo o telefone da Floricultura Estrela Dalva. Peça as flores e mande botar em minha conta. Leve o número do meu C.P.F e diga meu nome e o endereço para entrega. Basta isso.
— Só isso?
— Não. Melhor... Mande escrever num cartão dizendo: “apaixonado por você”. Peça para entregarem as flores vermelhas em sua casa. Não é para assinar o cartão. Lembre-se: para sua casa as rosas vermelhas. E não assine o cartão.
— Você esta bêbado, Rubens. Você não disse pra não dar presentes sem motivo?, e por que isso de não assinar o cartão?
— Bêbado talvez eu esteja e isto não muda nada. As flores são para Sandra saber que você aprontou mesmo... que está disposto a assumir seu trono de volta, mas que ela ainda pode fazer parte de sua vida. É um tipo de válvula de escape para ela poder retroceder sem se humilhar... Daí,  se você chegar em casa encontrar o vaso com flores e ela estiver esperando por você cheia de amores. Você salvou seu casamento. Se você chegar e não tiver flores no vaso. Você é corno. De qualquer jeito você resolve sua vida. Separa-se ou salva seu casamento.
— E o buquê com as rosas cor-de-rosa?
— Manda trazer pra cá e ofereça a que sorrir primeiro pra você. A outra eu encaro. Estou necessitado de uma secretária nova. Agora telefone e se mande pra mesa das moças antes que apareça um prego.
— Traduza prego.
— Um besta que encosta e não come ninguém, mas paga a conta e fica até as mulheres irem embora. Outra coisa antes de ir... É importantíssimo! Só pode dar uma. Mesmo que ela implore, só pode dar uma. A outra bibocada você guarda pra Sandrinha. Vá logo...




— Trim...Trim...
— Alô...
— As flores, cunhado! Elas estavam no vaso e a Sandrinha cheia de amores. Obrigado Rubens, tchau.

Ricardo Matos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …

Um conto de Natal.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…