Pular para o conteúdo principal

Quando a Ficha Caiu.



            Viveu como em sua maioria vivem as pessoas normais, buscando um futuro que nunca chega e nunca chegará e preso a um passado que a memória falseava. Tivera uma infância fácil, visto de suas boas recordações imaginadas. Quando jovem e belo, fazia como todos os jovens, que por serem jovens e belos, sem se saberem belos, por serem jovens, buscam em si defeitos que não possuem.
         Ele, apenas, continuou jovem ano a ano fazendo o que esperavam por ele ser feito. Enamorou quem o quis, não a quem ele queria — temia as paixões, — e casou-se e procriou como esperado. Trabalhou muito e  educou os filhos como se educa os filhos de quem vive na busca por ser um homem de bem. Amava-os e a eles dava sempre o do bom e do melhor. Só não dispunha de tempo para conhecê-los e os educava como fora educado, exigindo respeito e obediência a ele e as regras sociais de sua classe. Viveu como vivem quase todos os que a sorte favoreceu.  Apenas não se deu conta que o tempo não para em sua perversa constância. Costumava carregar sempre um sorriso político nos lábios para evitar confrontos. Mantinha o pensamento sempre no porvir, sequenciado, de quem se espera eternamente pela felicidade. E seguia-se a vida. Não tinha mais nenhuma atração pela esposa, pensava ser comum a todos os casais. Aos poucos, seus raros amigos de infância se perderam nas tramas da história ou faleceram. Ele temia conhecer novas pessoas, outras formas de entender a existência. Não gostava de mudanças. E dizia a si mesmo: “faz parte, é da vida” a cada perda, e seguia na sua vidinha de faz-deconta-que-sou-feliz. Viu os filhos crescerem e partirem. Consolava a companheira com sonhos a serem realizados a dois assim que concretizasse mais um bom negócio. Até que caiu a ficha e descobriu, pouco antes da morte, desperdiçara seus momentos a esperar uma felicidade sempre por chegar. Mas diante da morte  portou-se com dignidade. Pouco antes do derradeiro suspiro,  olhou a mulher chorosa, entregou-lhe o mesmo sorriso mentiroso e suave de sempre e disse-lhe a ultima frase caridosa.
         — Amor, você me fez feliz.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…