Pular para o conteúdo principal

Quando a Ficha Caiu.



            Viveu como em sua maioria vivem as pessoas normais, buscando um futuro que nunca chega e nunca chegará e preso a um passado que a memória falseava. Tivera uma infância fácil, visto de suas boas recordações imaginadas. Quando jovem e belo, fazia como todos os jovens, que por serem jovens e belos, sem se saberem belos, por serem jovens, buscam em si defeitos que não possuem.
         Ele, apenas, continuou jovem ano a ano fazendo o que esperavam por ele ser feito. Enamorou quem o quis, não a quem ele queria — temia as paixões, — e casou-se e procriou como esperado. Trabalhou muito e  educou os filhos como se educa os filhos de quem vive na busca por ser um homem de bem. Amava-os e a eles dava sempre o do bom e do melhor. Só não dispunha de tempo para conhecê-los e os educava como fora educado, exigindo respeito e obediência a ele e as regras sociais de sua classe. Viveu como vivem quase todos os que a sorte favoreceu.  Apenas não se deu conta que o tempo não para em sua perversa constância. Costumava carregar sempre um sorriso político nos lábios para evitar confrontos. Mantinha o pensamento sempre no porvir, sequenciado, de quem se espera eternamente pela felicidade. E seguia-se a vida. Não tinha mais nenhuma atração pela esposa, pensava ser comum a todos os casais. Aos poucos, seus raros amigos de infância se perderam nas tramas da história ou faleceram. Ele temia conhecer novas pessoas, outras formas de entender a existência. Não gostava de mudanças. E dizia a si mesmo: “faz parte, é da vida” a cada perda, e seguia na sua vidinha de faz-deconta-que-sou-feliz. Viu os filhos crescerem e partirem. Consolava a companheira com sonhos a serem realizados a dois assim que concretizasse mais um bom negócio. Até que caiu a ficha e descobriu, pouco antes da morte, desperdiçara seus momentos a esperar uma felicidade sempre por chegar. Mas diante da morte  portou-se com dignidade. Pouco antes do derradeiro suspiro,  olhou a mulher chorosa, entregou-lhe o mesmo sorriso mentiroso e suave de sempre e disse-lhe a ultima frase caridosa.
         — Amor, você me fez feliz.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

Foi ali comprar cigarros (Um conto de carnaval).

. Quinta-feira pré-carnaval, o calor estava beirando o insuportável. Na TV mulheres seminuas se rebolavam em frenesi, Alzira, minha mulher, olhou-as com desdém e comentou antes de desligar a TV, — São umas vadias turbinadas de silicone. De vez em quando morre uma no bisturi, bem feito. - 0 – Alzira, apesar dos 37 anos, fisicamente, ainda é uma mulher bonita. A conheci na faculdade no curso de Arquitetura, eu estava me formando e ela era caloura. Nos aproximamos em um bar perto da faculdade. Muito bonita: pele morena da cor de chocolate, olhos amendoados, corpo tipo mignon e um belo sorriso. Sempre dei preferência às mulatas do tipo violão. Ela se destacava pela desenvoltura, tinha aquele brilho no olhar de quem é feliz. Sorria sem esforço das coisas mais bobas e era um sorriso autêntico, — Nada me mostra mais a personalidade de uma pessoa que o sorriso. Tenho verdadeiro asco de quem coloca no rosto aquele sorriso de atriz. — Gasparzinho foi quem me convidou para sentar-me à mesa com …

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…