Pular para o conteúdo principal

Urbana - Ação de divorcio



 — Sou uma covarde!, Meritíssimo. Uma verdadeira covarde! Não! Não é a morte o que temo. Não é assalto, bala perdida (ou achada). Não me mete medo os planos econômicos os furacões ou terremotos... Temo o rural. Odeio mato... mosquitos, percevejos... de vespas então!, tenho verdadeiro horror. Tenho fobia de tudo que me lembre da natureza. Até as flores nos vasos de meu apartamento são de plástico. Não consigo entender como alguém consegue gostar de cheiro de bosta de vaca ou ficar feliz por ouvir grilos, coaxar de sapos, e, em sã consciência, admirar a outros sons que não sejam rítmicos e melódicos. Quando muito, um pássaro. Desde que gravado e reproduzido em aparelho de som. O senhor sabe, meritíssimo! Gravador não defeca... É! Sou medrosa. Detesto banho de rio. De mar, ainda vai, mas de rio? Nunca! Só se cimentarem e azulejarem o curso e margens do dito e, mesmo assim, na certeza de não haverem cobras, protozoários e peixes. Ouvi dizer, que existe um certo peixinho que entra pelo canal urinário e expõe os espinhos*. Só em imaginar a dor, desmaio. Odeio cobras, lagartas, lagartos e todos os bichos. Já não basta as baratas que me obrigam a dedetizar meu apartamento duas vezes ao ano?!  Aí, vem meu marido e compra aquela fruta chamada araçá, goiaba, sabe-se lá o nome correto! E ele mordendo aquela coisa, diz-me ser maravilhosa. Eu experimentei...  Ah!, senhor juiz! Tinha uma larva vivinha, vivinha, senhor juiz! Não dá mais! Basta-me olhá-lo que sinto engulho. Com esse filho-duma-vaca eu não fico. E que Deus se apiede dos rurais.
Logo após relatar seu infortúnio, Márcia vomitou sobre a mesa do magistrado, que lhe concedeu, de imediato, a separação litigiosa.              





*Candiru: Peixe comum da bacia amazônica.  (Reza a crença popular, que o candiru penetra na uretra das pessoas que estão se banhando nos rios e expões espinhos para suga-lhes o sangue.).




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…