Pular para o conteúdo principal

Epitáfio -



Dei o máximo de mim aos que amei quando eram vivos.
Sinto se ofendo pela frieza. Não sofro por defunto.

Mas respeito o sofrimento alheio.

Epitáfio

( Redigir em lápide de mármore negro, com
3 m. atura x 1,5 m de largura x 0,5 m espessura.
Letras em dourado: Benquiate Bk Bt )
Quando eu me for, só quero deixar esquecimento, nenhuma lágrima, exceto, as de prazer. Quando for, quero sair à francesa, pois vim do pó das estrelas, para lá irei voltar. Quando de minha ida também não quero "...nem choro, nem velas ". Dispenso até a fita, seja ela de qualquer cor. Dispenso também as flores. (Elas são belas quando vivas, não as matem por mim. Mesmo que isso acarrete prejuízo ao florista e ao floricultor). Se meu cheiro incomodar é só vaporizarem um pouco de "Bom Ar". Quando me for, não quero maquiagens. Quero ir com esta cara descarada que Deus me deu. E diga-se de passagem fiz bom uso dela. Dos amigos sinceros, a eles pedirei que dia vinte e cinco de fevereiro, em ano bissexto, quando carnaval, encham dois copos e ponham na mesa. Um com conhaque, outro com cerveja. Levantem um brinde a mim e joguem dominó. Perdoarei a ausência dos que estiverem amando. Aos filhos, peço que não sofram, o sofrimento é vão, inútil. Como falou meu pai: "Deixe que os mortos cuidem dos mortos." Quando chegar meu momento, não roubem a cena com dramas piegas. Mas, será divertido contratar carpideiras profissionais. Assim como eu, elas são umas boas cínicas. E eu adoro esta faceta humana nos bons. Desprezo-as nos corruptos e sacanas. Mas, enfim, quando me for, quero partir em gozo, pois creio que em gozo fui gerado. Só mais uma coisa: se forem fazer festa não toquem nem axé, nem arrocha. Um samba ou forró, vá lá, é bem vindo.

Grato 

Ricardo Matos"

CELEBREM A VIDA!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …

Um conto de Natal.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…