Pular para o conteúdo principal

Onde ela anda ultimamente?



            Ultimamente tenho tido divergências com ela. Ela anda muito desleixada comigo. Mesmos os amigos desejando, todos os dias, que reatemos nossa relação de bem viver, ela só comparece em rápidas ocasiões. Na verdade, ela sempre foi assim e seria muita mentira minha dizer, como vejo muitos dizendo, que o relacionamento com ela é perfeito. Ontem mesmo, acordei de madrugada, procurei-a e nada. Ela simplesmente havia sumido. Vi-me solitário, as cervejas da geladeira escassearam, os petiscos que havia comprado azedaram e o filme que estava passando era chato. Na infância ela morava comigo, apesar de todas as intempéries na vida ela continuava ao meu lado. Creio que minha primeira briga com ela ocorreu na adolescência, eu me apaixonara, e por ciúmes, ela desapareceu por todo esse período. Mas, acabada a paixão, ela foi retornando aos poucos e mesmo tendo que trabalhar e estudar na maior parte do dia ela estava junto a mim. Acompanhava-me quando ia jogar bola, na cerveja depois de os babas com os amigos e principalmente nas aventuras, com minha namorada no cinema, nos bares, nos teatros e, principalmente, nos motéis de Salvador. Ela continuou comigo por um período quando casei e não me largava quando nasceram minhas filhas. Ela era tão grudada a mim que dava inveja a quem me olhasse. Mas, de repente, ela resolveu de um nada ir indo embora e de repente desapareceu por completo. Isso tornou meu casamento um pesadelo e minha mulher, que não era besta, pediu para ir embora e creio levou ela junto. Porque daí por diante eu pouco a via. Eu aceitei porque sabia onde ela estava. Ela estava com a minha ex-mulher e minhas filhas. Tanto que, quando minhas filhas vinham me visitar, nos fins de semana, ela pousava em minha casa. Minhas filhas cresceram, o tempo é implacável, e aos poucos ela foi retornando e se divertindo a meu lado a cada nova conquista. Mesmo nas derrotas ela me animava a novas tentativas e assim foi. Casei de novo e ela retornou ao saber que viria mais um filho e com o nascimento dele, ela, mais uma vez, grudou em mim. Não sei se por sina ou carma, de repente, me vi afastado da mulher e do filho e só com a presença dele ela retornava. Mas, novamente, o inevitável aconteceu e meu filho virou homem e partiu para uma vida solo ou algo parecido, e eu "alone again". Por agora só a vejo de vez em quando. Se ela estiver com meus filhos deixa ela lá, se não, e alguém a viu largada por ai, avisa a minha felicidade que estou com saudades e espero ansioso reencontrá-la.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

Um conto de Natal - Rosa tem febre demais.l.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…