Pular para o conteúdo principal

Por Favor Não Me Ame Não, Gostar até pode.



Por favor, não me ame não, (gostar até pode). É muita responsabilidade para minhas costas estreitas. Se há uma sentença que me mete medo é esta: “eu te amo”. É verdade! Eu iria escrever: “se há uma ‘frase’ que me mete medo”, contudo, preferi usar o termo ‘sentença’. Porque é uma sentença, um castigo, é uma chaga ser amado por alguém.

Quando alguém diz que me ama, na grande maioria das vezes, eu me sinto obrigado a retribuir, a ter que arranjar tempo para quem me estigmatizou como um ente amado. Passo a ter obrigação de ser como a pessoa imaginou que eu seja. Passo a ter que ter empenho de corresponder às expectativas criadas por elas, (as que imaginam que me amam). E, como cada uma delas cria expectativas diferentes, quando somadas, estas expectativas se tornam tanto maior quanto o número de pessoas que me amam e por via de consequência maior é a cruz a ser carregada neste calvário.
A primeira coisa que a pessoa que passa a me amar é exigir que eu também a ame, e por amá-la, busque ter bons hábitos, já que minha morte ou doença lhe causará sofrimento. Então terei que parar de fumar, de beber, de comer carne, de ter relações sexuais sem camisinha e mais todas essas bobagens criadas pela mídia, via médicos ou jornalistas que querem faturar em minhas costas. Dos que querem que eu venha a me tornar um velho ranzinza. Como se a morte não fosse uma benção depois de certa idade.
As pessoas que me amam, por me amarem, começam a se achar no direito de se envolverem em minha vida e começam a ter ciúmes sociais de mim e a culpa, do ciúme delas, por mais louco que pareça, é minha.
Elas perdem a alegria de viver, por me amarem, ao descobrirem que eu só sou fiel a mim mesmo e a minha razão, e cobram de mim uma fidelidade, (não falo de sexo, que fique claro), como se eu houvesse pedido a elas para que elas me amassem.  Não sabem elas que eu só sou fiel a mim mesmo. E só sou fiel a mim mesmo porque me amo. E o amor próprio é o único que carrega certa dignidade, minto. O amor de mãe também deve ser respeitado.  
Fora estas exceções, nunca vi ninguém odiar a quem ela é indiferente ou a quem sente apenas um leve afeto. Têm muito mais. As pessoas que me amam passam a se preocupar com o que os outros pensam de mim, e se preocupam em dar satisfação a pessoas que eu nem conheço e que cago-e-ando em saber se estão vivas ou mortas. É por isso que quem me ama começa a querer me escravizar aos ideais sócias destes indivíduos, para mim, completos estranhos. Zumbis sociais.
Vou dar um exemplo: se eu saio de pijama para jogar o lixo fora porque o odor lixo me incomodou, é certo que alguém que nunca percebi sequer a existência, irá contar a uma das pessoas que me ama que eu ando na rua de pijama. A pessoa que me ama, antes mesmo de beber seu café, me telefonará para saber do ocorrido e tentará me imputar uma culpa que eu não quero sentir ou pior, se for uma dramática, já marcará um psicólogo ou um psiquiatra e tentará me obrigar a ir à consulta.
E porque ela me ama ela se acha nesse direito, e se eu sugerir que ela “vá tomar no orifício anal” pronto! Eu serei um ingrato. Tornar-me-ei um ser não merecedor do mais belo dos sentimentos, o amor. Então tonar-me-ei um psicopata e, é bem capaz de aparecer dois enfermeiros para me segurarem e um estagiário de medicina para me aplicar um “amansa-leão”.  Assim, quando acordar numa camisa de força dentro de um hospício, porque eu fui jogar o lixo fora de pijama, terei que lembrar que a pessoa que mandou me internar, só o fez porque me ama.
Por isso senhoras e senhores, peço, encarecidamente, que não me amem... No máximo tenham um leve afeto por mim. Ou então aceitem o desprazer de amar um louco. Agora me deixa ir jogar o lixo fora porque o odor está me incomodando. PS: Moro bastante longe dos que me amam. Foi à forma mais inteligente que achei de não magoá-los por só me aceitar ser como sou.


Santa Cruz Cabralia – Bahia – agosto de 2011. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…