Pular para o conteúdo principal

Porque todos são diferentes, mesmo iguais.


          Daqui de cima vejo todos como se fossem formigas, não dá para distinguir as formigas gordas das magras, as feias das bonitas, as altas das baixas, as machos das fêmeas, porém, porque vivi lá embaixo, sei que eles imaginam estas diferenças. Mas a criança divina que dorme no quarto ao lado e nunca esteve entre os homens vê e sabe que não há qualquer diferença entre os pontos que circulam lentos ou apressados. E se eu lhe contar que agora, neste exato instante, alguém que se acredita diferente está num bar bebendo e rezando por ele para que sua vida mude, ele, com todo seu poder divino, não poderá ajudá-lo porque ele, simplesmente, não vê as diferenças. Para ele o graduado doutor e o esmolé que desistiu da luta são iguais à mulher grávida ou ao financista inescrupuloso. Para ele o assassino sanguinário e frio ou o homem de bom coração são exatamente iguais... Não há diferenças.
          — Então, senhor. Por que não o leva até lá para que ele veja as diferenças? Perguntei.
Após um longo silêncio, ele ponderou e disse.
        — Porque temo pelos homens. Quando estive lá tendei lhes indicar o caminho da paz. Disse-lhes que se me seguissem e deixassem de lado suas imaginadas diferenças e agissem todos num mesmo propósito, o do amor, todos seriam abençoados. Alguns até tentaram me seguir, mas suas idealizadas diferenças os impediram. Porque uns se viam romanos, outros se viam judeus, uns se viam reis, outros se viam mendigos. Uns se viam homens, outros se viam mulheres e, por nunca terem estado à altura do divino, eles não conseguem acreditar que para a criança que dorme ao lado, eles são apenas insignificantes formigas vistas como iguais. Então os deixo acreditar serem todos diferentes até que entendam que para a criança que dorme ao lado, eles sempre serão todos iguais.  

Ricardo Matos        



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

Um conto de Natal - Rosa tem febre demais.l.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…