Pular para o conteúdo principal

Porque todos são diferentes, mesmo iguais.


          Daqui de cima vejo todos como se fossem formigas, não dá para distinguir as formigas gordas das magras, as feias das bonitas, as altas das baixas, as machos das fêmeas, porém, porque vivi lá embaixo, sei que eles imaginam estas diferenças. Mas a criança divina que dorme no quarto ao lado e nunca esteve entre os homens vê e sabe que não há qualquer diferença entre os pontos que circulam lentos ou apressados. E se eu lhe contar que agora, neste exato instante, alguém que se acredita diferente está num bar bebendo e rezando por ele para que sua vida mude, ele, com todo seu poder divino, não poderá ajudá-lo porque ele, simplesmente, não vê as diferenças. Para ele o graduado doutor e o esmolé que desistiu da luta são iguais à mulher grávida ou ao financista inescrupuloso. Para ele o assassino sanguinário e frio ou o homem de bom coração são exatamente iguais... Não há diferenças.
          — Então, senhor. Por que não o leva até lá para que ele veja as diferenças? Perguntei.
Após um longo silêncio, ele ponderou e disse.
        — Porque temo pelos homens. Quando estive lá tendei lhes indicar o caminho da paz. Disse-lhes que se me seguissem e deixassem de lado suas imaginadas diferenças e agissem todos num mesmo propósito, o do amor, todos seriam abençoados. Alguns até tentaram me seguir, mas suas idealizadas diferenças os impediram. Porque uns se viam romanos, outros se viam judeus, uns se viam reis, outros se viam mendigos. Uns se viam homens, outros se viam mulheres e, por nunca terem estado à altura do divino, eles não conseguem acreditar que para a criança que dorme ao lado, eles são apenas insignificantes formigas vistas como iguais. Então os deixo acreditar serem todos diferentes até que entendam que para a criança que dorme ao lado, eles sempre serão todos iguais.  

Ricardo Matos        



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…