Pular para o conteúdo principal

Sem saco para pobre-de-direita



Já não tenho saco para minhas aflições, diga lá das alheias. Nada mais quero sentir senão a efervescência da vida. Quero acordar todos os dias com carnavais, sem as máscaras. Guardarei meus sintomas só para mim. Não mais darei atenção às más interpretações que dão a minhas causas ou palavras. Não quero ouvir conselhos abestalhados dos que não sabem ficar calados. Minhas dívidas são minhas, ninguém se oferece para pagá-las. Para alimentá-las, aí sim, sobram. Todos têm suas histórias tristes para contar e sabem dramatizá-las muito bem. Para mim pouco importa definir se dói mais uma unha encravada ou uma perna amputada. Não mais gastarei meu verbo ou argumentos com imbecis analfabetos políticos e pobres-de-direita e suas tacanhas opiniões. Chega uma hora na vida que tudo fica, por demais, chato. Nunca busquei e não pretendo buscar “ombro amigo” nas horas difíceis. Chega de ceder meu ouvido para bobagens infrutíferas. Cansei de ouvir lamentações de fatos banais. Cabe-me saber que nunca usei gente como escada ou me desviei de princípios herdados mesmo assistindo, sem julgar, os muito que o fizeram e fazem. Só não pisem em meus calos porque daí, do pescoço para baixo é canela...
"São incrivelmente abnegadas estas pessoas que alimentam da liberdade de romper padrões. Mas isso não é loucura, isso é uma saudável abnegação".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aniversário de Ariovaldo Matos, Os Dias do Medo. Romance.

ESCLARECIMENTO PRELIMINAR

Morto a 4 de janeiro de 1968, aos setenta e um anos, o senador Antônio Petrucci recompôs – por vezes dando-lhe forma romanesca – aqueles que considerou os mais importantes episódios de sua vida. Uma vida que, acredito, foi muito rica de acontecimentos. Dois ou três dias antes de expirar, ainda lúcido e após assinar seu generoso testamento (1), reafirmou o empenho de que eu expurgasse do texto quanto contribuísse, de algum modo, para lhe embelezar a personalidade. Convenientemente cadáver, queria-se nu diante da opinião pública. E não só a brasileira. Terei de investir bons milhares de dólares para traduções em italiano e em francês, obrigação que hoje não me desagrada: suponho experiência interessante ser personagem. Trabalhei com afinco, pesando e sopesando os capítulos e “notas adicionais” que me foram confiados. Quando chego ao “the end” da tarefa, penso ter cumprido, com algum zelo, a última ordem daquele a quem prestei uma colaboração que ele próprio reco…

O Desembestado ou a Escolha. —

O Desembestado
Naquele frio 21 de junho, a sra. Zulnara, piedosa e convicta irmã de Maria, contava ao esposo um episódio da existência temporal de São Luis de Gonzaga e ele, já habituado as eventuais crises religiosas de sua companheira, sentia certo prazer em escutar a narrativa que a voz tímida ia desenvolvendo: — ... e então — disse ela — um terrível surto de peste assolou a cidade de Roma. São Luiz nem padre era, ainda, mas pediu permissão aos superiores do Seminário e saiu a cuidar dos enfermos, a muitos confortando. Aquela moléstia, porém era transmissível e ele também ficou doente. Padeceu dias e dias e, afinal, mártir da caridade, morreu em 1591 com apenas 23 anos mas já estava madurinho para o céu. — Virou Santo? — perguntou Albano, com algum interesse e uma pontinha de dúvida. — Sim. Albano tinha pensado num argumento qualquer, anti-santificador, em que prevaleciam drogas químicas como sulfonas e coisas aparentadas, mas a verdade é que não chegou a concluí-lo mentalmente. Mesmo …

Um conto de Natal.

Rosa tem febre demais

Espero a madrugada e visto minha roupa de sonho. Depois, sem que minha mulher desperte, ganho as ruas de silêncio e caminho passos de quem foge, aproveitando manchas de escuridão, sombras que grandes árvores projetam. Agora atinjo as avenidas centrais. Luzes ferem os meus olhos e passam os boêmios e as prostitutas. Alguns param e olham minha fantasia de sonho — as longas barbas brancas, o vermelho manto bordado de arminho, negras botas que confundem meus pés com o asfalto. Olham e seguem e caminham, e mais rápidos são os passos porque agora sou esperado e é hora de chegar. Mais além, no largo, antes da ladeira, estão os motoristas. Dizem coisas pornográficas, contam episódios de sangue, mas eu caminho e passo e eles fazem silêncio quando me vêem. Alguns, os mais velhos, atiram moedas no asfalto e eu as recolho e seus olhos me acompanham enquanto, na outra esquina, encontro a ladeira e vou começar a descê-la. Então, voltam aos temas de antes e terei sido um sonho ráp…