Pular para o conteúdo principal

A vaca, o Brasil, e a felicidade.


        Certa feita me contaram uma história engraçada de uma vaca muito especial. Quando me contaram a historieta não notei sua importância no contexto histórico da humanidade. Hoje, porém, vejo e entendo o sentido daquele conto e posso fazer uma analogia com o atual momento brasileiro. 

Segue a historinha.   

Em um bucólico vilarejo, morava uma família que vivia do produto de seu trabalho realisado numa pequena fazenda no interior da Bahia. Pai, mãe e filhos, viviam sem luxo, mas moravam numa casa aconchegante e alegre. Seu Inácio, o patriarca da família, ficou orgulhoso quando pode, (aproveitando que o progresso chegara a cidade trazendo a bendita tecnologia e a energia necessária), usar de suas economias para comprar todos os utensílios domésticos vendidos na mais nova loja da cidade próxima, e assim ele fez, comprou: televisão, tanquinho, vídeo, celulares, geladeira, fogão à gás e o tal do computador com internet.
          Com toda essa modernidade veio à influência das redes: Globo, BAND, SBT e outros meios de comunicação geradores de mentiras e causadores de depressão. Com o tempo, e sem ser notada, a rotina da família foi mudando. Eles não perceberam, porém, aos poucos, começaram a ter os mais estranhos pensamentos e a criar ódios do nada, e, com isso, a felicidade que tinham foi se esvaindo.
Dona Dilma, a matriarca, notou que as coisas já não eram como antes e, como costumava fazer, resolveu recorrer ao benzedeiro e sábio senhor que vivia na beira da mata em sua chácara.
            Escondida da família, Dona Dilma adentrou a mata e caminhou léguas até chegar a residência do sábio, Sr. Mercadante,
            Ô de casa! Gritou dona Dilma batendo palmas ao chegar.
            Entra, Cumade   Respondeu Mercadante, feliz por receber a ilustre visita.
       Ao entrar, Dona Dilma foi recebida com uma caneca de alumínio, com de água moringa fresquinha. Sorveu a água gole a gole e após se sentar no tamborete, próximo ao Mercadante, perguntou:
            Ô Cumpade, eu vim até o cumpade sem nem saber o que tá me aporrinhando... mas parece que o capeta, o coisa ruim, achou de morar lá em casa... meu veio anda tristonho... os menino avexado... até eu, Cumpade, mesmo depois dos luxos que Inácio comprou e diminuiu em muito meus afazê... ando apoquentada...
            Mercadante se sentou um banquinho de três pernas... matutou... matutou e perguntou:
            Cumade, Vossa Mercê ainda tem aquela vaquinha leiteira maiada?
            Dona Dilma respondeu orgulhosa,
            Sim, Cumpade. Tá aposentada. Inácio tá com mais de vinte parideira nova e de muito leite. Mas a malhada tá lá sim... Tá largada na manga...
          Intão, Cumade. Pega a malhada e coloca ela pra de dentro de casa pra mó de vê se não muda o avexamento.
            Só isso, Cumpade?
            Só Cumade.  Adepois Vossa Mercê volta pra me contar o que a se passou.
            —  Intão vô indo, Cumpade. Quanto é que te devo...
            —  Deve de nada não, Cumade. Amizade num se paga com dinheiro ou presente...
         Dona Dilma voltou para casa pensando na maluquice que o velho amigo aconselhou, mas devido a confiança que a família tinha em sua sabedoria, resolver acatar o mandado, e colocou a vaca velha e malhada para dentro de casa, mesmo a contra gosto de todos.
            Não demorou e a vaca criou os maiores problemas, mijava e cagava a casa toda, derruba os moveis, empatava todo mundo. Resumindo: criou a maior zona. Com todos já revoltados com a vaca e com a ideia de Dona Dilma, que não arrendava pé de cumprir o ensinamento do velho sábio, todos começaram a brigar, arrumaram até da Dilma andar de bicicleta para ir pedalar lá fora. Mas bastou e uma semana e Dona Dilma também já não aguentava mais a vaca bagunçando tudo dentro da casa e resolveu voltar ao Mercadante pra se aconselhar novamente. Lá chegando, arriou todo o desassossego que a vaca provocara. Mercadante, com um sorriso no canto da boca, entre uma e outra baforada do cachimbo disse:
            Apois, Cumade. Agora é só arria a vaca de vorta pro pasto... e jogar fora aquele aparelho de fazê burros que tu vai vê que a tal da felicidade vai vorta rapidinho...  
            Dito e feito:  bastou tirar a vaca de casa e colocar a TV no pasto pra os burros poderem ver, que a felicidade retornou pra casa de seu Inácio e Dona Dilma.
            Como eu disse, meu povo.
          Todo esse golpe é fruto do destino  para lembrar ao povo brasileiro que ele era feliz. Bastou colocar o governo Temer no Brasil, como o Mercadante colocou a vaca na casa hipotética casa de Dilma. É só tirar a vaca que o Brasil volta a ter jeito.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…