Pular para o conteúdo principal

Trecho do romance Sedução.






"— Minha mãe sabia algumas histórias. Todas, com fundo moral, normalmente baseado em contos Bíblicos. Tinha uma, de uma mulher belíssima... Não! Mamãe não falava belíssima... falava formosíssima... Uma moça formosíssima de nome Susana que se casou com um homem de bem, mas de poucas posses... era assim que ela, circunspecta
, contava-me...
— Então, Pai. Conte-me, — Beatriz insistiu.
— Era uma vez uma mulher de nome Susana, que era casada com um humilde vendedor de verduras. Susana havia sido criada na obediência às leis de Deus. Certa feita, na pequena cidade onde morava, chegou um homem muito importante. Se eu não me engano, era um juiz. O juiz se encantou por Susana. E, uma vez seduzido pela beleza da formosíssima mulher, apaixonou-se perdidamente. O tal juiz passou a viver atrás da moça e ofertava caros e raros presentes a ela. Mas Susana sempre se recusava a recebê-los. Porém, uma vez, ela foi ao lago para banhar-se. Estava sozinha, havia dispensado a companhia das amigas. Ao chegar à margem do lago, ela pôs as roupas estendidas num arbusto. Nisso, o juiz que a seguia, vira-a indo ao lago, então, esperou que ela fosse se banhar e escondeu as roupas que ela havia deixado no arbusto, depois, ele foi até ela e propôs fornicar. Ela se recusou, ele, então, aproveitando-se da situação disse: "— Ou você cede seus favores aqui onde ninguém nos vê ou direi a teu marido que você estava fornicando com outro homem. Tenho certeza que quando desfilares impudica pelas ruas, em mim, todos crerão". Aí, Susana respondeu: "— Se eu fizer o que Sua Excelência me pede, sairei livre em carne, no entanto,
Deus que tudo vê, saberá de meu pecado. Porque não o farei, mesmo que meu sangue jorre das mãos de meu amado marido, estarei inocente. Se vier a perder minha vida salvarei minha alma, e meu marido será isento de culpa por crer cegamente na injúria e salvará também a dele, pois o castigo desse pecado, decidido por Deus, é a morte. Mas você insensato, responderá ao Todo-Poderoso. Senhor de tudo e da verdade".
— Pai, o que é fornicar? — Interrompeu Beatriz.
— Fazer sexo, copular... Deixe-me continuar que você vai entender. Como Susana recusou-se a aceitar a chantagem, o juiz levou as roupas ao marido dela e disse: "— Vi sua mulher fornicando com um jovem no lago". O marido ficou possesso. Apanhou uma pedra e chamou a todos ao redor e pediu catassem pedras e o seguissem. Os que ali estavam, cataram pedras para acompanhar o marido ao lago. Todos estavam dispostos a apedrejarem-na até a morte. O marido caminhou junto ao juiz na frente da multidão. Ao chegarem ao lago e verem Susana coberta de água até o pescoço, preferiram acreditar nos olhos e não na razão. Porque, naquela lei, o homem traído lavava a honra com sangue e a pedradas. Porém, um dos homens da multidão, buscando defendê-la pede prova, aí, o Juiz, reafirmou tê-la visto ali com outro homem e mostrou as vestes roubadas. Susana, evidentemente, negou e negou de dentro do lago, porém, ninguém acreditou na versão dela. Então, mesmo cheia de pudores, ela que era temente a Deus, ganhou forças e caminhou para sair do lago em direção ao marido: Tham! tham! tham!... amanhã eu termino a história, vamos dormir.
— Ah!, pai. É sujeira sua. Conte logo o final...
— Calma, estou fazendo um pouquinho de suspense... onde eu estava?...
— No lago... o chifrudo ia matar a mulher a pedradas.
— Certo, filha... bem... ele não era chifrudo. Ela se recusou a se dar...
— Emprestar, pai. Nós não damos, emprestamos...
— Ta certo, Beatriz. Então... Susana caminhou em direção ao povo e olhando o marido nos olhos disse: "— A ti, sempre fui fiel por amá-lo das profundezas de meu coração, e antes que me mate, saiba, que jamais cometeria adultério e não só de meu amor por ti, mas por ser uma serva do Senhor Deus". Então, misteriosamente, tudo escureceu. E, como surgida do nada, uma luz intensa e muito clara emanou do corpo de Susana. Assim, vestida de luz, ela saiu caminhando da água em direção à multidão. A luz que emanava dela, era tão intensa que ofuscou a todos, impedindo, inclusive, de a verem nua. E, dentre os raios luminosos, ouviram uma voz: "— Diante de vocês está uma serva do Senhor, de alma pura, e inocente do crime imputado". Resultado, filha... Susana saiu do lago e a multidão cobriu os olhos sem que ninguém a julgasse mais uma pecadora. O marido, arrependido, seguiu-a e rogou por perdão e por ela foi perdoado, porém, o juiz impudico e malévolo, que insistira em vê-la sair nua do lago, como castigo, ficou cego para sempre... Então, filhota, gostou?
— Não! É meio babaca, pai. O juiz que deveria ter morrido apedrejado..."


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Secretária. Lit. Axé.

A Secretária.


          Gosto de ser franco. Confundem-me como rude. Diz meu filho que sou sutil como um rinoceronte. Talvez o seja, não sei bem. Outros me afirmam que até meus elogios são ácidos.  Não sei dourar a pílula. Não uso eufemismos. Digo a verdade e a ingratidão da verdade não me ofende. E tudo para mim é muito substancial. Eu disse você é bela, como Caymmi disse: “o Abaeté tem uma lagoa escura, arrodeada de areia branca”, assim, simples. E ela agradeceu. E eu disse que ela não precisava me agradecer e sim aos pais dela ou a Deus. E eu concluí a frase dizendo com a mesma simplicidade: sua a beleza não é mérito seu, e completei: são os genes. E o riso fácil dela se apagou. Ela me olhou com desdém, talvez pensasse: “quem ele pensa que é?” Eu disse talvez pensasse, não tenho a capacidade de ler mentes. E perguntei se eu a ofendi, ela disse não, não senhor... E eu me calei. Bebi o último gole da dose do conhaque no copo. Imaginei pelo uso da palavra senhor uma formal maneira de t…

O Machista.

O machista.
Findando um tedioso dia de trabalho, Rubens, ao checar seus e-mail, encontrou  convite para um “happy-hour” no bar que costumeiramente frequentava. De imediato confirmou presença, desligou o micro e foi ao bar tentando imaginar o que o amigo de infância e cunhado desejava. Ao chegar, por se sentir um freqüentador prestigiado no bar escolhido, solicitou: — Boa noite, Joel. Tudo bem, Dona Helena? A senhora pode pedir a “Jacaré” para me servir na mesa de sempre? Dona Helena, prestativa, respondeu eperguntou. — Claro! Quer que mande servir o carneiro?  Mais tarde. Estou aguardando um amigo. Por enquanto, só quero uma dose do “Velho Oito”. Peça a Jacaré que a leve pura, estilo “cow-boy”. Rubens caminhou em direção a mesa ao fundo do bar, junto ao sanitário feminino, como fazia costumeiramente nas noites de sexta-feira após concluir o dia de trabalho. Em poucos minutos, com a dose servida, ele observa a chegada de Pedro Ivo. Notou pelo terno que o amigo também viera direto do escritó…

A Dura Lei dos Homens

“C’est lá dure loi des hommes Se gander intact malgré Los guerres et la misere Malgré lês dangers de mort.” P. Eluard
Jantara bem, o carro saíra da oficina em boas condições, nenhum mal entendido com os amigos apenas fora algo desagradável a leviandade daquele jovem na livraria. Ele insistira em condenar Rilke sem qualquer motivo sério, limitando-se a citar alguns trechos de Cartas a um Jovem Poeta. Contudo, bem analisada as coisas, aquilo era desculpável. O rapazinho mal iniciara suas atividades como crítico – obtendo, aqui e ali, alguns êxitos – mas já se acreditava um pequeno gênio de província, graças aos elogios fáceis que ia recebendo. Não discutira, claro. Ouvira-o, a princípio com desdém, depois com tolerância . O silêncio geral fora, sem dúvida, a melhor resposta. Afinal, um incidente sem importância, destituído de força suficiente para intranqüilizá-lo. Dosou o cálice de cointreau, ajeitou-se no divã e ligou a radiola. Ouvia uma seleção de Ives Montand quando os policiais invadira…